CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

1.10.12


Panfletos, comício, carro de som, propaganda eleitoral, nada disso repercute com tanta rapidez como um comentário nas redes sociais. Segundo o Instituto Ibope, são mais de 74 milhões de usuários com mais de 16 anos que utilizam as redes sociais, dando ao Brasil a 5ª posição entre os países com maior número de conexões à Internet.

Fonte: Eleitor Digital

Como ferramenta poderosa na busca por eleitorado para a disputa por uma vaga nas eleições municipais de 2012, políticos já começam a dar os primeiros passos na aproximação com jovens entre 20 a 35 anos que freqüentam regularmente as redes sociais. Segundo pesquisas eles possuem Orkut, Facebook, Twitter acessam o Youtube e interage o tempo todo com meio eletrônico.

As estratégias do marketing eleitoral nas redes sociais


Segundo o especialista em marketing político Cândido Gomes, a principal dica para quem busca uma vitoria na campanha municipal é desenvolver metas e estratégias para atingir esse eleitorado: redes sociais para os jovens e rádio e tv para a grande massa. “A Internet oferece a possibilidade de se tornar um espaço midiático mais amplo e democrático para a participação política. Mais do que uma nova tecnologia, trata-se de um meio de comunicação, de interação e de organização social”, destacou.

“A internet será uma ferramenta essencial nessas eleições, através dela políticos vão interagir 24 horas com o seu eleitorado. O marketing político no Twitter, uma das opções mais procuradas pelos políticos, e que atinge principalmente os novos eleitores, permite a troca de mensagens entre de participantes, tornando o debate mais democrático, podendo gerar um agitação nas contagens dos votos”, explicou.

Porém a super exposição nas redes sociais, também pode acarretar sérios problemas aos pretensos candidatos, inclusive na obtenção do registro de candidatura junto à Justiça Eleitoral. Segundo o especialista em Direito Eleitoral Leonardo Airton Soares, o fato da legislação de campanha na internet ser muito recente, requer ainda mais cuidado por parte dos políticos. “Medidas como o cuidado com o conteúdo, publicidade on-line e o que o candidato divulga nas mídias sociais são passos que podem influenciar no sucesso ou no fracasso de um candidato à vida pública”, destacou.

Para o consultor Alberto Valle, especialista em marketing digital e instrutor do curso de marketing político digital do CEC, as eleições de 2012 terão uma influência forte do que for veiculado nas mídias sociais. “As redes sociais cairam no gosto do brasileiro e os políticos já perceberam isso. Temos sentido uma procura muito maior por nossos cursos este ano, um sinal claro que as campanhas irão apostar fortemente nessas mídias. O candidato que ficar de fora, certamente vai estar em desvantagem”, afirmou o consultor.

O uso das mídias sociais em campanhas está regulamentada a partir do projeto de lei 5984/09, de dezembro de 2009. Em 2010 a lei foi aplicada com rigor para punir os infratores. “Assim, calúnias, injúrias e difamações contra adversários políticos são devidamente monitorados pelos militantes e o Tribunal Superior Eleitoral – TSE, deixou bem claro o que será e o que não será permitido nas campanhas, punindo os excessos com rapidez”, finalizou.

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo