CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

31.1.12


Carlos Linneu Torres Fernandes da Costa, auditor fiscal

Retorno a Gramsci e não há como evitar esse grande nome da filosofia política se o tema é a política pensada como práxis ou como movimento social planejado, com objetivos de longo prazo. Estranhamente, por que relaciona-lo com os empresários do Rio Grande do Norte? Pouco a haver ou muito a haver, dependendo do entendimento desses personagens que não encontram o autor, como em Pirandello. Ou não desvelam que poderiam ser o próprio autor. Vejamos um pouco de teoria conspiratória e do marketing verdadeiramente político.

Os melhores livros técnicos acerca do que se convencionou denominar Marketing Político não são aqueles redigidos sob esse nome, mas os de marketing empresarial, de autoria de Theodore Levitt, principalmente “Imaginação em Marketing” e um livrinho extraordinário de Al Ries, intitulado “Posicionamento, a batalha pela mente”.

E se cabe ainda citar um case de campanha, para ilustrar os ensinamentos dos livros citados, o aficionado busque a revista Marketing, edição de fevereiro de 1986. Nela, na edição inteirinha, estão expostos com grande riqueza de detalhes, todo o planejamento e a criação adotados por Duda Mendonça para a campanha de Mário Kértecz para prefeito de Salvador, em 1985. Uma aula de marketing eleitoral, talvez a primeira campanha eleitoral brasileira em que, conscientemente, foi aplicado o marketing eleitoral como prática rigorosa. Uma relíquia, na qual não faltam pulos de gato.

Os números são tão astronômicos quanto aterrorizantes. Cerca de 150 milhões de habitantes africanos não têm acesso à quantidade mínima de calorias diárias, sendo que, deste total, 23 milhões deverão morrer de fome.

Por Gilson Caroni Filho*

A música "We are the world" reuniu cantores
em um movimento contra a fome
No nordeste do continente, segundo levantamento da ONU, 10 mil crianças morrem mensalmente em decorrência da seca. Ou seja, o número de vítimas supera, e em muito, o número de mortos nos 14 anos de guerra no Vietnã.

Segundo o diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos da ONU, James Morris, “a escassez de alimento na África provoca a instabilidade política, desse modo, a fome é, ao mesmo tempo, causa e conseqüência da pobreza. Além disso, é causa e conseqüência dos conflitos”. Segundo estudos do Instituto Internacional de Pesquisa em Alimentação nos próximos 20 anos o continente africano terá uma redução na produção de alimentos em cerca de 20%, fato desencadeado pelos conflitos internos.

A magnitude do drama costuma vir acompanhada de explicações que vão do crescimento demográfico desordenado à desertificação e conflitos étnicos. O que se busca ocultar é a responsabilidade de europeus e norte-americanos que, ao longo do tempo, mudaram radicalmente a estrutura de produção e consumo no continente africano, deixando como resultado a escassez, subnutrição e fome, com altos lucros para as grandes corporações.

O coordenador da Campanha Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, vinculado ao Ministério Público do Trabalho, frei Xavier Plassat, estima que, no país, haja de 20 a 50 mil pessoas exercendo atividades em condições análogas à escravidão.

Fonte: Rede Brasil Atual

"Na verdade, libertar escravos não basta para acabar com o problema, mas o Brasil está mostrando uma boa capacidade em atacar a questão, por meio de um grupo móvel de fiscalização bem eficiente. Mas [infelizmente, o governo] não consegue apurar todas as denúncias porque o território é muito grande", disse Xavier. As declarações foram dadas durante debate no programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, na última sexta-feira (27), véspera do Dia de Combate ao Trabalho Escravo.

Xavier acrescentou ainda que entre as agravantes do problema estão a pobreza e a miséria. No Brasil, muitas famílias ainda vivem nessa situação, lembrou o frei. "Sem condições ideais de trabalho, as pessoas se submetem à exploração."

"[Essas pessoas] tiveram apenas os direitos básicos assegurados. Na hora de pegar um serviço, pegam qualquer um. Para essas pessoas isso é melhor que nada. [Mas] acabam sendo levadas para uma situação de impunidade, [movida pela] ganância e miséria. Temos aí um conjunto que precisa ser atacado, se não a gente não resolve o problema", disse Xavier.

O coordenador nacional da Frente Parlamentar Mista de Erradicação do Trabalho Escravo, o deputado Domingos Dutra (PT- MA), defendeu a aprovação imediata da Proposta de Emenda Constitucional 438/2001, conhecida como PEC do Trabalho Escravo, determinando que a área onde for flagrado trabalho escravo seja desapropriada para fins de reforma agrária.


O governo se rendeu à evidência de que a lei seca caducou depois de três anos e meio de existência e está fechando com o Congresso um acordo para mudar o texto.

Vannildo Mendes, Estadão.com.br

O plano é combater a impunidade de motoristas que dirigem sob efeito de álcool e são responsáveis por mais de 20% das mortes no trânsito. A ideia, segundo o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, é dobrar o valor das punições e retirar da lei o artigo que fixa o teor de álcool no sangue.

Dessa forma, deixaria de existir o limite de 6 decigramas por litro. E seriam validados os diversos meios de produção de prova já previstos e utilizados.

Um ponto consensual do substitutivo aumentará substancialmente a pena de quem for apanhado dirigindo alcoolizado. A multa inicial, que hoje é de R$ 957,65, dobra para R$ 1.915,30. Na reincidência, o valor dobra de novo e sobe para R$ 3.830.

Hoje, a lei impõe também a suspensão do direito de dirigir por 12 meses. O prazo vai dobrar. Pelo novo texto, a reincidência será medida em dois anos, aumentando o tempo em que o infrator ficará sob quarentena. 



Mesmo com o maior volume de lançamentos da última década, o cinema nacional não conseguiu manter em 2011 o bom desempenho de bilheteria e receita apresentado em 2010.

Gustavo Brigatto, Valor

Segundo balanço da Agência Nacional (Ancine), o número de filmes nacionais que chegaram aos cinemas teve um incremento de 32%, pulando de 75 filmes em 2010 para 99 no ano passado.

O maior número de títulos, no entanto, não representou mais sucesso para as produções, que tiveram quedas de 30% em número de ingressos vendidos e em receita.

Em termos de bilheteria, o número passou de 25,68 milhões para 17,87 milhões. Já a arrecadação recuou de R$ 225,95 milhões em 2010 para R$ 163,27 milhões em 2011. O preço médio dos ingressos para filmes nacionais em 2011 ficou em R$ 9,14. 



Uma revisão de 28 estudos publicada nesta segunda-feira, 30, na versão online da revista The Lancet aponta que os médicos deveriam medir a pressão arterial nos dois braços do paciente - e não apenas em um, como ocorre na maioria dos consultórios. Isso porque medidas diferentes de pressão nos braços podem indicar risco aumentado de doença vascular periférica.

Fernanda Bassette, Estadão.com.br

Medir a pressão nos dois braços já é recomendado nas diretrizes de hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia - a última atualização foi publicada em 2010.

A norma orienta que na primeira consulta os médicos meçam a pressão nos quatro membros do paciente: nos dois braços e nas duas pernas - o que nem sempre acontece.

A revisão de estudos foi conduzida pelo médico Christopher Clark, da Universidade Exeter (Grã-Bretanha), e demonstrou também que uma diferença de pressão sistólica acima de 15 milímetros de mercúrio (mm Hg) entre os dois braços está associada ao maior risco de ter uma das artérias parcialmente obstruída. 


30.1.12


“COISAS DA VIDA” 


Por Leide Franco* (@LeideFranco)

Conheço muitas pessoas que já tiveram mais de quatro amores eternos, acreditam? Daquele tipo que pelas juras e promessas não ia acabar nem com o fim, nem com a morte. E do mesmo tipo que renderia tatuagens pelo corpo só para deixar marcado para todo o sempre. É a megalomania do amor dos amantes exagerados. Em um deles os versos de Cazuza eram o enredo principal de toda a história: “Nossos destinos foram traçados na maternidade”. 

E isso era como estar diante do melhor gênero romântico, tipo os hollywoodianos água com açúcar e pitadas de afeto. Na verdade, no fim cada um só quer a doce sorte de um amor tranquilo e poder desfrutar de todo o amor que houver nessa vida, tal como o do mesmo Cazuza.

O que muitos não conseguem entender é que o para sempre de vez em quando pode se transformar, como metamorfose, em “era uma vez” um sonho que era para toda a vida... Restos de um amor maior que tudo que se pudesse medir. Quem pode julgar se está certo ou errado aquele que acredita nos modos eternos da vida? Será que valeria a pena caso não nos prendêssemos na certeza de que daquela vez seria o tal do para sempre?


O amor eterno é o amor impossível. Os amores possíveis começam a morrer
no dia em que se concretizam.
Eça de Queiroz

O amor é uma queda livre de dois corpos que dividem o mesmo paraquedas. O segredo é ir soltando vagarosamente a corda que os prende, para que as asas possam ir aos poucos se abrindo, e assim sentir como vai ser pisar no chão. Tudo está muito fora do Romeu e Julieta shakespeariano. A vida nos mostra que nada do que é humano pode ser eterno. O ser humano é mutável e se adapta conforme as suas necessidades.

O melhor é acreditar que sempre será eterno enquanto durar, como disse o velho poeta. E que a medida de tempo, seja o eterno ou o passageiro, depende da intensidade com a qual o aproveitamos, até porque o para sempre é muito tempo e deve morar muito longe, perto do fim.

*Leide Franco - Comunicadora com pretensões literárias; 
Um pouco de filosofia e reflexões cotidianas; 
Um muito de MPB
E quase nada do que ainda quero ser. 
Escreve às segundas-feiras.



No contexto de incerteza que domina a atual crise econômico-financeira internacional, a América Latina foi identificada como um “oásis” de estabilidade, crescimento e oportunidades durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que terminou ontem (29).

Agência Lusa

O pessimismo justifica-se com a falta de soluções para o problema da dívida soberana da zona do euro, a lentidão de recuperação dos Estados Unidos e a desaceleração do crescimento dos países emergentes, enquanto o otimismo aumenta do lado dos países latino-americanos, como adianta a agência de notícias espanhola EFE.

Presidentes e ministros dessa região do globo tiveram de cumprir agendas bastante apertadas, devido às reuniões sucessivas com responsáveis de multinacionais e de grandes empresas. “Francamente, não tivemos tempo para mais nada, a não ser reuniões, receber empresários e investidores interessados nos setores mineral e energético da Colômbia”, comentou à EFE o ministro colombiano da Energia e Minas, Mauricio Cárdenas.

De olho na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorre em junho, no Rio de Janeiro, o Fórum Social Temático (FST) terminou ontem (29) em Porto Alegre com uma agenda de propostas alternativas à negociação formal que será conduzida pelos governos na conferência.

Agência Brasil

Com o tema Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental, o FST foi a primeira etapa da Cúpula dos Povos, reunião que deverá acontecer paralelamente à Rio+20, como contraponto às negociações formais, em um espaço de manifestação da sociedade civil organizada.

A principal crítica levantada durante os debates do FST foi, justamente, em relação ao conceito de economia verde, tema central da conferência. As organizações argumentam que o modelo vai apenas repetir a lógica do capitalismo, com a “mercantilização da natureza” e a manutenção das desigualdades. O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, chegou a dizer que a Rio+20 será apenas “um teatro governamental”.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que aproveitou o FST para tentar articular as posições do governo com as da sociedade civil para a Rio+20, rebateu as críticas e disse que confia na força da sociedade civil brasileira e mundial para que o evento no Rio tenha êxito.

O projeto da Lei Geral da Copa, encaminhado à Câmara dos Deputados pelo Poder Executivo, ainda não foi aprovado pelo Congresso Nacional e já enfrenta questionamentos sobre a sua constitucionalidade. Um artigo em especial, tem causado preocupação entre entidades de defesa dos interesses de comerciantes, de consumidores e de juristas.

Agência Brasil

O artigo 11 do texto trata da restrição do comércio de produtos e de publicidade nas áreas em torno dos estádios e principais vias de acesso aos eventos esportivos. O artigo determina que a União, os estados e municípios que sediarem os jogos da Copa devem assegurar que a Federação Internacional de Futebol (Fifa) tenha exclusividade para “divulgar marcas, distribuir, vender, dar publicidade ou realizar propaganda de produtos e serviços”, além de atividades de comércio de rua nos Locais Oficiais de Competição, nas suas imediações e principais vias de acesso.

O parágrafo único do artigo diz ainda que os limites dessas áreas de exclusividade serão definidos posteriormente pela autoridade competente “considerados os requerimentos da Fifa”.

Os leitores se recordam dos anúncios patrocinados pelo governo federal durante o mandato de Collor, quando o caçador de marajás iniciava o processo de entrega dos bens nacionais aos estrangeiros, em nome da modernidade.

Por Mauro Santayana*

Os que defendiam o patrimônio público eram desdenhosamente identificados como dinossauros, ou seja, animais dos tempos jurássicos. Iniciou-se, com o confisco dos haveres bancários, o processo de desnacionalização da economia, sob o comando da senhora Zélia Cardoso de Melo e do economista Eduardo Modiano, nomeado presidente do BNDES com a missão de desmantelar o setor estatal e entregar suas empresas aos empreendedores privados que se associassem às multinacionais.

Naquela época publiquei artigo na Gazeta Mercantil, em que fazia a necessária distinção entre os dinossauros – uma espécie limpa, sólida, quase toda vegetariana – e os murídeos: camundongos, ratos e ratazanas.

É difícil entender como pessoas adultas, detentoras de títulos acadêmicos, alguns deles respeitáveis, puderam fazer análise tão grosseira do processo histórico. Mas eles sabiam o que estavam fazendo. Os economistas, sociólogos e políticos que se alinharam ao movimento neoliberal – excetuados os realmente parvos e inocentes úteis – fizeram das torções lógicas um meio de enriquecimento rápido.

Noite dessas, Paulo Vanzolini sonhou com uma poesia de Olavo Bilac que decorou quando ainda era rapazote. Os versos, que são muitos, vieram por inteiro. Aos 88 anos, o autor de composições que atravessaram gerações sem perder a força, como Ronda e Homem de Moral, conserva a prodigiosa memória e se mantém imperturbável diante da fama.

Por Ana Ferraz, em Carta Capital




Considerado por muitos o embaixador do samba de São Paulo, ele agradece o epíteto. “Não é verdade, mas eu gosto”, diz, sorriso nos lábios. Acomodado numa poltrona de couro na modesta casa do Cambuci, “bairro cheio de bares ótimos”, o homem culto que cresceu rodeado de livros e se tornou zoólogo de reputação internacional põe em perspectiva a criação de uma vida, 70 composições e 155 trabalhos científicos. “Que glória é essa, meu Deus”, questiona, num lapso, o declarado ateu, bisneto de anarquista. “É uma glória muito humilde. Não tenho motivos para ser vaidoso.”

Nesta sexta (27), semana em que São Paulo completa 458 anos, Vanzolini concederá ao público o privilégio de tê-lo na Choperia do Sesc Pompeia. Instalado numa mesa, cervejinha à mão, o artista acompanhará alguns de seus grandes sucessos, interpretados por Ana Bernardo e Carlinhos Vergueiro. Entre uma canção e outra, o show será pontuado pelas reminiscências do compositor que, junto com Adoniran Barbosa, de quem foi “amigo de muitas cachacinhas”, traduziu a cidade de forma definitiva.

No Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase, celebrado no último domingo de janeiro, autoridades de saúde e organizações da sociedade civil se mobilizam pelo fim da discriminação das pessoas que têm a doença. Apesar de ter cura, muitos brasileiros ainda se escondem e deixam de procurar o tratamento, com medo de sofrer estigma dentro da família, entre os amigos ou no trabalho.

Agência Brasil

Em estado avançado, a hanseníase causa deformidades no rosto, nas mãos e pernas, comprometendo a aparência.

O assessor técnico do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e sanitarista Marcos Franco conta que, quando trabalhou com vítimas de hanseníase no interior de São Paulo, a maioria vivia no estado vizinho do Rio de Janeiro. Esses pacientes tinham vergonha de procurar atendimento médico na cidade onde moravam.

“O paciente tem medo de usar o serviço do próprio município onde vive. Temos que desconstruir esse estigma para dizer que a hanseníase é uma doença tratável e não um castigo de Deus”, disse Franco, que esteve em Brasília na semana passada para acompanhar a divulgação dos dados do governo federal sobre a incidência de hanseníase no país.

29.1.12


Meu primeiro contato com o Henfil foi quando a Global Editora quis publicar uma versão da revista Mafalda e o Quino exigiu: “Só se a tradução for feita pelo Henfil”.

Por Mouzar Benedito*

Charge do Henfil / Grauna
Mas ele era ocupado demais. A solução foi alguém traduzir e o Henfil dar um toque final. Paulo Schilling, que havia voltado do exílio e publicava livros pela Global, me indicou para ser o tradutor.

Assim, um dia nos reunimos: Henfil, Quino, Zé Carlos e eu, para tratar da tradução. O Henfil convenceu o Quino de que a versão teria que ser meio pro portunhol, pois as traduções com uma Mafalda italiana, portuguesa etc., não tinham a mesma graça.

Mais tarde, para mandar colaborações para o Pasquim, levava até a casa do Henfil, que as mandava para o Rio. Ele se divertia com as minhas bobagens e me chamou para trabalhar como “ator” no programa dele, de um minuto, na TV Abril (horário comprado pela editora na TV Gazeta). Depois ele me contou que estava mesmo era me preparando para encarar câmeras e virar ator como guerrilheiro no filme que ele planejava, Deu no New York Times.

Mas ele foi para o Rio e os planos mudaram. Mandei os originais do meu livro de causos Santa Rita Velha Safada, perguntando se ele topava fazer a apresentação, e ele me deu um monte de sugestões, mas bestamente acabei não fazendo as mudanças que ele propôs. Mesmo assim, quando a Editora Busca Vida topou publicar o livro, em 1987, ele fez a apresentação.

Mexendo em papéis velhos, achei a carta do Henfil com as sugestões e me emocionei. E resolvi mostrar pra todo mundo. É um misto de vaidade (sim!) e de reverência ao grande cara que ele era. Aí vai…

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, disse neste sábado (28) que a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 438/2001, conhecida como PEC do Trabalho Escravo, será a prioridade da articulação da pasta no Congresso Nacional este ano.

Luana Lourenço, enviada especial da Agência Brasil

“Temos que fazer dessa a principal agenda política de direitos humanos no Congresso. A presidenta Dilma Rousseff determinou à secretaria, que, assim como demos prioridade à articulação legislativa para aprovar a Comissão da Verdade em 2011, façamos da PEC a prioridade agora”, disse Maria do Rosário durante debate sobre trabalho escravo no Fórum Social Temático (FST).

Segundo a ministra, o aumento de incidência de trabalho escravo em áreas urbanas – geralmente no setor têxtil e na construção civil – e da entrada de imigrantes vindos de países mais pobres são novos desafios para as políticas de enfrentamento da escravidão contemporânea no Brasil.

“A agenda do trabalho escravo cada vez mais se confunde com a questão da migração, e pode se agravar diante do fenômeno da vinda de trabalhadores que vivenciam situações dramáticas em seus países e vêm procurar no Brasil melhores condições de vida, como os bolivianos e agora os haitianos”.


Carlos Roberto de Miranda Gomes, advogado e escritor

Tenho recebido dos amigos inúmeros artigos falando sobre a crise do Poder Judiciário, o que reproduz e reforça o noticiário diário da nossa imprensa falada, escrita e televisada.

O assunto é grave e me atinge de certa forma, pois filho de magistrado e partícipe das lides processuais ao longo da vida profissional, como advogado e como prfofessor de Direito, tenho interesse em preservação dessa Instituição, alento final da esperança da população, para que não voltemos aos tempos da justiça com as próprias mãos.

Não direi que o assunto é impertinente, mas afirmo que é passível de uma solução pacífica, sem o confronto Poder Judiciário – CNJ, com acusações estéreis de lado a lado, sem o devido cuidado para a importância e imponência da Magistratura para a Democracia e a Paz Pública.

É equivocado o entendimento de que os juízes passaram muitos anos intocáveis, por isso teriam enveredado na corrupção. Nesse ponto considero exageradas as expressões da respeitável ministra Eliana Calmon. A verdade é que a formação moral das pessoas no presente diferem das posturas vetustas dos nossos ancestrais. A sociedade mudou os seus parâmetros.

As regras para a declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) deste ano, sobre rendimentos do ano passado, serão praticamente iguais às da última declaração, com inclusão de “pequenos ajustes” decorrentes da correção da tabela de deduções. A informação foi dada pela coordenadora da área de Imposto de Renda da Receita Federal, Cláudia Lúcia Pimentel.

Agência Brasil

A Receita deve publicar instrução normativa até o fim da semana que vem, com o detalhamento decorrente da correção de 4,5% na tabela do Imposto de Renda, que eleva o limite de isenção de R$ 1.566,61 em 2011, para os atuais R$ 1.637,11. Também aumenta o limite para abatimento da renda tributável na declaração simplificada, que passa de R$ 13.317,09 para R$ 13.916,36.

A aplicação dos 4,5% corrige também os limites de declaração obrigatória para o assalariado que teve rendimento tributável anual de R$ 22.487,25 em 2010 e passou para R$ 23.499,17 em 2011, e para o produtor rural que obteve rendimentos acima de R$ 112.436,25 em 2010, agora reajustados para R$ 117.495,88. Números que ainda precisam ser confirmados na instrução normativa da Receita.

O empresário Thales Emanuelle Maioline, de 36 anos, exibia luxo e glamour para atrair clientes para o seu negócio. Por quatro anos, foi bem-sucedido: conseguiu pelo menos R$ 100 milhões em investimentos, segundo cálculos do Ministério Público Estadual (MPE).

Bruno Villas Boas e Thiago Herdy, O Globo

Mas o esquema era uma pirâmide, que acabou ruindo. A versão mineira de Bernard Madoff, operador de Wall Street acusado de controlar um esquema bilionário semelhante, pode ser encontrada agora no Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp), na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Lá, divide uma cela com 17 detentos, toma banho de sol quatro vezes por semana e aguarda, nos próximos meses, julgamento por estelionato, formação de quadrilha e falsificação de documentos, podendo pegar 14 anos de prisão.

Mas é na prisão que Thales finalmente se sente seguro. Foi com medo de suas vítimas — cerca de 2 mil investidores — que o empresário protagonizou uma das mais rocambolescas histórias de fuga do país, ao passar dias acampado na Floresta Amazônica e foragido em cidades da Bolívia. 


28.1.12


CINEMA

Por Carlos Emerenciano*

“Decifra-me ou devoro-te”. Foi dessa forma que a Esfinge de Tebas desafiou Édipo, no sentido de que este viesse a decifrar o seu enigma. Antes dele, vários outros haviam falhado diante do ser mitológico, que, sem pena, estrangulou-os. Édipo tornou-se, então, o primeiro homem a destrinchar o terrível quebra-cabeça da Esfinge, vindo a ser aclamado, em virtude do notável êxito, Rei de Tebas.

Pelo menos foi assim que Sófocles contou na peça “Édipo Rei” e a história perpetuou-se até chegar aos nossos dias. Tenho minhas dúvidas, no entanto, se o triste Édipo, condenado a um fim trágico desde o seu nascimento, tenha, verdadeiramente, decifrado o referido enigma. A julgar que este demônio seja representativo da figura feminina - vez que se tratava de uma mulher com corpo de leão alado e calda de serpente - acho muito difícil. Se discordar de mim, caro leitor, responda-me, de pronto, se você já conseguiu descobrir o que se passa na cabeça de uma mulher. Ou se cale, sob o risco de ser devorado.

O que se passou, desde então, a meu ver? Cansados de tentar em vão decifrar a alma feminina, nós homens passamos a cultuá-la através da Arte. E talvez seja o cinema, entre as vários gêneros artísticos, o que mais bem representa essa devoção. Belas imagens e cenas compõem esse cenário em que a mulher se apresenta em suas múltiplas faces.

O FBI (polícia federal americana) está de olho em você, usuário das redes sociais. Pelo menos é o que disse o site da revista "New Scientist" em notícia publicada nesta quarta-feira (25).

Bernardo Barbosa, O Globo

A polícia estaria em busca de informações para monitorar e antecipar crises com base em palavras-chave relacionadas a terrorismo e crimes online, entre outras atividades vigiadas pelo FBI.

Além de ser um indício das intenções de um governo - no caso, o americano - quanto a sua atuação nas redes sociais, a revelação da "New Scientist" ganha em importância justamente por expor posições que dificilmente são tratadas de forma aberta por órgãos públicos, em geral, independentemente do país. O documento completo, em inglês, pode ser lido no site Mashable.



O jornalista e sociólogo Ignacio Ramonet, ex-editor do jornal francês Le Monde Diplomatique, defendeu ontem (27) a criação e o fortalecimento de comissões da verdade para que os crimes cometidos por ditaduras não sejam esquecidos nem repetidos. Ramonet definiu o direito à memória como um novo direito humano, que precisa ser respeitado e garantido às vítimas e à sociedade.

Luana Lourenço, Agência Brasil

“O relato do sofrimento e da resistência é indispensável para que novas gerações conheçam melhor o que se passou. Para que a memória não se degrade, é necessário que seja exercida em relação direta com o presente. É a única maneira de evitar a impunidade e de evitar que o horror se repita”, disse o espanhol, que atualmente coordena a Associação Memórias das Lutas, com sede na França.

Ramonet participou do debate Direitos Humanos, Memória e Justiça, numa sessão especial do Fórum Social Temático (FST) e do Fórum Mundial de Educação, que ocorrem em Porto Alegre.

Para o sociólogo, o reconhecimento da memória tem que ir além de reparações individuais às vítimas e às famílias de vítimas e precisa tornar públicos os horrores praticados pelas ditaduras. Ramonet defendeu a criação de instrumentos que permitam que toda a sociedade tenha acesso ao que ocorreu, como a construção de monumentos, museus e e criação de datas nacionais de homenagem às vítimas.

Os financiamentos habitacionais somaram R$ 200,5 bilhões no final do ano passado, com crescimento de 2,7% em dezembro, em relação ao mês anterior. No ano, o aumento foi de 44,5%. Os dados, divulgados ontem (27) pelo Banco Central (BC), envolvem operações para compra e construção de moradias, com recursos livres e direcionados.

Agência Brasil

Segundo o chefe do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel, a expectativa é que esse tipo de financiamento continue crescendo acima da média neste ano. “Há espaço para isso”, afirmou.

De acordo com Maciel, o motivo dessa perspectiva é que o Brasil ainda apresenta crescimento abaixo da expansão desse tipo de financiamento em outros países. Ele acrescentou que só agora o país alcançou o patamar de 4,8% do crédito habitacional em relação a tudo o que produz – Produto Interno Bruto (PIB). Em 2010, essa relação estava em 3,7%. “É um percentual bastante modesto comparativamente ao padrão internacional”, disse ele.

O diretor do Banco Central acrescentou que o crédito habitacional não crescia tanto em função das taxas de juros alta e da renda e que agora o segmento conta com aprimoramentos e programas que impulsionam a expansão.


O Fórum Social Temático 2012 se ocupa, “apenas”, de dois temas: a crise do capitalismo e a destruição do planeta. Sob o pretexto de preparar a Rio + 20, muitos que aqui estão parecem comprometidos com uma crítica radical do que chamam de “capitalismo verde” ou “econeoliberalismo”. Nessa crítica, além dos balanços e das lutas contra barragens, sobressai a atualidade do embate político e teórico entre Reforma e Revolução.

Belluzo, em debate no FST / Foto: Imagem de vídeo feito pela Carta Capital 
Portal Vermelho*

O economista da Unicamp e Facamp, Luiz Gonzaga Belluzzo, disse quarta-feira (25), numa entrevista coletiva na Carta Maior, que esta dicotomia deveria ser revisitada (no seu caso, em defesa de um reformismo radical).

Mais do que um debate sobre a organização dos trabalhadores frente à história, no entanto, Belluzo propõe a retomada do enfrentamento de dois dos aspectos mais fundamentais analisados por Marx: a importância histórica do mercado e o privilégio do presente.

Dentre os participantes das centenas de atividades agendadas (fora as canceladas) neste Fórum, certamente o pessoal que faz tijolos com garrafas pet usadas pode estar presente. Como se sabe, tijolos feitos com garrafas pet são considerados de alta resistência e grande capacidade de impermeabilização.

Os brasileiros são os latino-americanos que mais consomem remédios para perder peso, segundo levantamento da empresa especializada em pesquisa de consumo Nielsen Holding. O estudo, que analisou várias regiões além da América Latina, mostra que 12% dos brasileiros usam emagrecedores.


Agência Brasil, com informações da BBC/Brasil

A média de consumo de emagrecedores na região é 8%. Na Venezuela e no Peru, apenas 4% recorrem a esse tipo de medicamento.

Os brasileiros também são os mais insatisfeitos com a silhueta. Cerca de 43% dizem estar um pouco acima do peso e 16% dizem estar acima do peso. Apenas 30% se mostram satisfeitos com o peso atual. A insatisfação dos brasileiros está acima da média mundial. De acordo com o estudo, 53% das pessoas no mundo dizem estar um pouco acima do peso.

Os chilenos também se destacam como os que se consideram muito acima do peso, são 8%. Entre os brasileiros, 3% se enquadram nesse perfil.

Matéria divulgada no jornal Meio & Mensagem, no dia 23 de janeiro de 2012, traça hábitos de consumo dos avós

Fonte: Ibope

Os perfis e hábitos desse grupo se transformaram tanto que é preciso mudar paradigmas. 

O segmento da população denominado idoso é uma parcela significativa que tem recebido destaque dos programas sociais e de saúde, mas ainda é pouco conhecido e considerado nos seus aspectos culturais, sociais e no que se refere aos seus comportamentos de consumo.

Dados do Censo Demográfico do IBGE de 2010 e todos os trabalhos de projeções feitos para os próximos anos mostram a importância desse grupo. As estratégias de marketing e comunicação das marcas precisam se preparar para entender essa parcela da população, que passa a ter maior representatividade no mercado. 


Considerando que a Organização Mundial de Saúde (OMS) define para o idoso o limite de 60 anos para países menos desenvolvidos, a retrospectiva mostra que esse público começou a trabalhar muito cedo. Hoje é composto, na sua maioria, por aposentados.

A economia do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) para pagar os juros da dívida pública totalizou R$ 93,519 bilhões em 2011, o melhor resultado da história e 1,9% superior à meta de R$ 91,76 bilhões. Os números foram divulgados pelo Tesouro Nacional.

Wellton Máximo da Agência Brasil

O resultado foi 18,71% maior que o de 2010, quando o superávit primário atingiu R$ 78,773 bilhões. Apenas em dezembro, o esforço fiscal somou R$ 2,012 bilhões. O resultado é o segundo melhor da história para o mês, só perdendo para dezembro do ano anterior, quando o superávit somou R$ 14,247 bilhões.

Dívida pública cresce 10% em 2011 e atinge R$ 1,866 trilhão

A Dívida Pública Federal (DPF) cresceu 10,17% em 2011 e encerrou o ano passado em R$ 1,866 trilhão. O número foi divulgado ontem (27) pelo Tesouro Nacional, que apresentou o resultado do Governo Central – Tesouro, Previdência Social e Banco Central – no ano passado.

O crescimento na DPF foi puxado pela dívida mobiliária (em títulos) interna, que passou de R$ 1,603 trilhão em dezembro de 2010 para R$ 1,783 trilhão em dezembro de 2011. Em termos percentuais, a alta foi 11,17%. Apesar da alta do dólar no segundo semestre, a dívida pública externa caiu 7,55%, de R$ 90,096 bilhões no fim de 2010 para R$ 83,292 bilhões no fim do ano passado.

27.1.12


CARTAS DE COTOVELO 10 (26/01/2012)


Carlos Roberto de Miranda Gomes, advogado e escritor

No início deste mês registrei o meu reencontro com Cotovelo e, logo no primeiro dia, a prazerosa visita de Zé Correia (Zequinha), tradicional morador da Rua Parnaíba.

A meninada, como sempre, se soltou na buraqueira, sabendo aproveitar bem os regalos do veraneio. Os adultos, nem tanto.

As boas conversas noturnas, o baralho, dominó, bola, DVD, música e rádio complementaram nosso lazer.

O barulho do Circo da Folia não foi tão grave como no ano anterior, mesmo assim a Lei do Silêncio não foi respeitada– há muito dinheiro em jogo. O inferno, de qualquer forma, se instalou nos finais de semana, com filas intermináveis de veículos com destino a Pirangi, em permanente businaço, intercalado de carros do som em decibéis proibitivos, mas nem por isso incomodados por qualquer autoridade da fiscalização do meio-ambiente.

A geografia física modificou muito aquele lugar bucólico de outrora. Agora tem abastecimento de tudo e estamos cercados de edifícios e condomínios fechados. A Promovec não funciona mais, distanciando os veranistas daqueles dias festeiros e contemplativos. Contudo, não tivemos registros de arruaças, roubos, assaltos e os filhinhos do papai não desfilaram na beira da praia com motos ou quadricíclos. Parabéns para a Polícia. Aliás, o posto policial na sede da Promovec e de ambulância do Samu deram conforto e segurança aos veranistas.

Vaticano foi sacudido por um escândalo de corrupção na quinta-feira depois que a investigação de uma televisão italiana informou que uma autoridade do alto escalão foi transferida após reclamar sobre irregularidade na concessão de contratos.

Folha.com

O programa "Os Intocáveis", transmitido na respeitada rede de televisão privada L7, mostrou na noite de quarta-feira o que disse ser cartas enviadas em 2011 pelo arcebispo Carlo Maria Vigano, então vice-governador da Cidade do Vaticano, a seus superiores, incluindo ao papa Bento 16, sobre a corrupção. 

Atualmente embaixador do Vaticano em Washington, Vigano disse nas cartas que, quando assumiu o cargo em 2009, descobriu uma rede de corrupção, nepotismo e clientelismo associados à concessão de contratos a companhias de fora com preços inflacionados.



No aniversário do início das manifestações públicas no Egito, o cantor e compositor Gilberto Gil defendeu a internet como principal agente na construção do comportamento contemporâneo. Ele participou na tarde desta quarta-feira (25) do Conexões Globais, evento do Fórum Social Temático, em Porto Alegre.

Fonte: G1

Em um debate com o tema “Da Primavera Árabe à Internet na Construção da Democracia 2.0”, Gil apontou que o mundo está se fragmentando. “Uma das maiores críticas feitas à Primavera Árabe e a todos os movimentos parecidos são que eles estão contra parte do sistema e não necessariamente contra o sistema inteiro”.

Além de Gil, o jornalista Antônio Martins e o coordenador-geral do Gabinete Digital do Governo do Rio Grande do Sul, Vinicius Wu, participaram da conversa que ocorreu na Casa de Cultura Mario Quintana, no centro da capital gaúcha, reunindo entre o público o Governador Tarso Genro e o Secretário da Cultura do estado, o escritor Luiz Antonio de Assis Brasil.

Fazendo referência à música “Futurível”, composta durante sua prisão, o ex-ministro da Cultura salientou a necessidade de apoiar as utopias propostas pelos movimentos sociais, sejam eles de origem oriental ou ocidental. “Eles misturam um sentimento de vários futuros possíveis ao mesmo tempo”, explicou,

“É o racional, para que haja funcionalidade, e a poética, a recriação destes futuros possíveis”. Gil afirmou ainda que quaisquer críticas feitas a estes movimentos precisam ser sustentadas para que não haja totalização ou generalizações dos ideais.


O Ministério Público Federal (MPF) em Brasília denunciou criminalmente, por apropriação indébita, os juízes federais Moacir Ferreira Ramos e Solange Salgado da Silva Ramos de Vasconcelos - ex-presidentes da Associação dos Juízes Federais da 1.ª Região (Ajufer), entidade que reúne magistrados do Distrito Federal e de 13 Estados.

Fausto Macedo, Estadão.com

Ramos (presidente da associação entre 2008-2010) e Solange (presidente por dois mandatos, de 2002 a 2006) são acusados de terem vendido, em fevereiro de 2010, sem autorização de assembleia da Ajufer, a única sala comercial da entidade, no edifício Business Point, Setor de Autarquias Sul, em Brasília.

O dinheiro da venda, R$ 115 mil, segundo o MPF, foi usado para abater dívidas de empréstimos que os dois magistrados tinham com a Fundação Habitacional do Exército (FHE/Poupex).

Ramos é autor de representação criminal no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a ministra Eliana Calmon, corregedora nacional da Justiça, que o afastou liminarmente da função em novembro de 2010. 



Representantes da indústria, do comércio e dos trabalhadores decidiram se unir para pressionar o governo a tomar medidas contra o aumento das importações no Brasil. Em reunião na manhã desta quinta-feira, em São Paulo, membros da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), da Força Sindical, do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e das centrais UGT, CGTB e  CTB concordaram em organizar manifestações e preparar sugestões de medidas para elevar a competitividade dos produtos brasileiro, que deverão ser encaminhadas a Brasília.

Fonte: Francine De Lorenzo - Valor

“Será formado um comitê técnico para avaliar as ações no decorrer da próxima semana e dia 6 de fevereiro faremos uma nova reunião de cúpula para definir as medidas”, explicou o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, ao término do encontro desta manhã. “É o descaso do governo que está levando a essa união do setor produtivo”, ressaltou.

Ainda hoje, as centrais sindicais discutirão o assunto com Abram Szajman, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio). Segundo o presidente da Força Sindical, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT/SP), não haverá greve.  “O grande problema da desindustrialização é câmbio e juros. Se baixar juros e equilibrar o câmbio já se resolverá uma boa parte da questão”, disse.

Pela primeira vez uma empresa brasileira ganhou inglório título de pior empresa por uma premiação criada desde 2000 pelas ONGs Greenpeace e Declaração de Bernia, a "Public Eye People's". 
O prêmio, também conhecido como o "Oscar da Vergonha" será anunciado amanhã durante o Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça.



Monica Ciarelli, Estadão.com

Com cerca de 25 mil votos, a Vale venceu por uma diferença de menos de mil votos a Tepco, maior empresa de energia do Japão, responsável pela usinas nucleares de Fukushima no Japão.

Também estavam na disputa ao título de pior empresa do mundo a mineradora americana Freeport, o grupo financeiro Barclay's, a empresa sul-coreana de eletrônicos Samsung e a suíça de agronegócios Syngenta.

A indicação da Vale foi feita por um grupo de instituições sociais e ambientalistas formado pela Rede Justiça nos Trilhos, a Articulação Internacional dos Atingidos pela Vale, o International Rivers e a Amazon Watch. 


26.1.12



A primeira edição do “Amigo Culto” realizado em dezembro de 2011 foi um sucesso, e por isso resolvemos fazer a segunda edição do projeto que visa estimular a leitura através do ‘troque, leia e esqueça um livro’.

O Calangotango vai reunir os leitores do blog para realizar o “II Amigo Culto”. Para quem ainda não participou, está aberta a oportunidade de fazer parte do encontro que além de reunir amigos, trocar ideias, ainda colabora com o movimento mundial conhecido como Crossbooking ou “Esqueça um Livro”.

O Crossbooking funciona da seguinte forma: Cada participante leva um livro para ser trocado com outro participante, antes disso é feito um sorteio para saber quem será o Amigo Culto. Depois de ler o livro, que está devidamente caracterizado com a etiqueta do projeto, cada um se incube de “esquecer” o livro em algum lugar, para que outra pessoa possa encontrá-lo e assim dar continuidade ao processo. O intuito é divulgar a literatura e incentivar a leitura. Para tanto, o Calangotango reservou as últimas terças-feiras de cada mês para reunir os amigos e brindar essa iniciativa.

O local dos encontros a cada última terça-feira do mês será sempre no bar A Saideira Lounge, localizado na Av. Prudente de Morais (próximo ao Corpo de Bombeiros) e começa às 19h.

O calendário para 2012 fica assim:



CARTAS DE COTOVELO 09 (25/01/2012)

Carlos Roberto de Miranda Gomes, advogado e escritor

Sem maiores pretensões, terminei a leitura do livro ‘No tom da canção cearense’, de Wagner Castro, Ed. 2008, que me foi indicado por Inácio e Abimael por saberem da minha passagem pelo rádio.

Constatei que por muito pouco eu não fiz parte da história do movimento artístico de Fortaleza dos anos 50.

O livro não alcança esse período, pois concentra-se nas iniciativas musicais a partir dos anos 60, principalmente dos Festivais da Canção, fazendo vagas referências à PRE-9 – Ceará Rádio Club, onde em 1950 fiz uma temporada, gravando, inclusive, um disco com de 78 rotações, com a orquestra do Maestro Mozart Brandão, onde era pianista o grande compositor Luiz Assunção e o violonista Evaldo Gouveia.

Luiz Assunção

Esses dois últimos continuaram com marcante atuação no rádio cearense nas décadas que se seguiram, tendo Evaldo se notabilizado no resto do Brasil. Lembro que recebi de Luiz assunção uma partitura musical de sua composição ‘Que linda manhã’, com singela dedicatória, a qual pretendia gravar, passando a fazer parte do meu repertório. Contudo, por contingências diversas não mais gravei e a canção foi afinal divulgada através do cantor alagoano, radicado em Natal Rinaldo Calheiros.

Maestro Mozart Brandão

Além dessas pessoas já nominadas, o livro se refere ao Trio Nagô, composto por Evaldo, Epaminondas e Mário Alves, que vi nascer, tanto quanto o Trio Irakytan e dos quais tenho as primeiras fotografias artística, com dedicação a mim, com um carinho especial.

Foi em razão da minha apresentação em Fortaleza que ganhei notoriedade, tanto que firmei compromisso com a Rosenblit para gravar um disco em Recife e fazer uma temporada na Rádio Tamandaré, isso pelos idos de março de 1951. Não fui ao acertado, pois coincidiu com a interrupção da minha carreira artística por imposição familiar, posto que já iniciado o período letivo. O contrato foi cumprido por Agnaldo Rayol, pois o seu empresário é o mesmo meu.

No retorno de Fortaleza, fiz um show especial no Cine Pax de Mossoró, contratado pela Prefeitura local, tendo sido a propaganda divulgada através de panfletos jogados de um avião. Depois fiz uma apresentação em um Clube de Caraúbas, que era a terra de nascimento do meu empresário Francisco Gomes de Sales.

Trio Nagô
A música popular cearense dos anos 50 já estava consolidado. Naquele tempo despontaram outros jovens artistas, como posso lembrar de Solteiro, um garoto apadrinhado de Luiz Assunção, Fátima e Keyla Vidigal.

Pouco tempo depois a explosão dos festivais cearenses, com variadas denominações – Festival da canção cearense, da música popular cearense, da música popular aqui, nordestino da música popular, universitário da MPB e da canção do cariri, destacando-se nomes como Geraldo Vandré, Raimundo Fagner, Ednardo, Belchior, Marcus Vale, Ray Miranda, Ayla Maria, Jorge Melo, Piti, Fausto Nilo e outros.

O Rio Grande do Norte ainda dormia em berço esplêndido, ressalvada, apenas, a singela iniciativa da SAE – Sociedade Artística Estudantil, que revelou alguns artistas solistas e conjuntos musicais para o Brasil.




Militantes da Marcha Mundial das Mulheres fizeram ontem (25) uma plenária em paralelo aos debates do Fórum Social Temático (FST) 2012. O objetivo, de acordo com a coordenadora do movimento no Rio Grande do Sul, Cláudia Prates, é utilizar o espaço do fórum para reforçar alianças com outros movimentos na luta contra o capitalismo verde.

Fonte: Agencia Brasil

“Nós sempre cruzamos com mulheres que querem conhecer a marcha, querem fazer parte, mas muitas acham que é como um clube, que você precisa se associar ou se filiar. Esses espaços são para a gente mostrar que a marcha é um movimento de mulheres livres, autônomas. Elas não precisam estar ligadas a nenhum partido, central ou sindicato”, disse.

Cláudia lembrou que, apenas por meio da auto-organização e do fortalecimento das mulheres, conquistas como a aprovação da Lei Maria da Penha foram alcançadas. “As políticas públicas não acontecem se não há demanda. É a partir das lutas que a gente consegue as nossas conquistas”, reforçou.

Pela manhã, as militantes realizaram o debate Feminismo e Ecologia – Mulheres em Luta Contra o Capitalismo Verde. Antes, discutiram com outros movimentos algumas propostas a serem levadas para a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Rio+20).

A ideia, segundo Cláudia, é elaborar um documento de forma conjunta com as demais organizações da sociedade civil presentes no FST que sirva de alerta para a população sobre os efeitos da crise financeira e climática.

“As mulheres são as mais atingidas em todas as crises. São as mais empobrecidas, as que mais sofrem violência”, disse. “Se não nos unirmos numa luta só e numa só voz, não vamos conseguir ter sucesso – nem a luta feminista e nem a luta ambiental. Precisamos juntar essas lutas, porque estamos dentro do mesmo processo de destruição e dentro do mesmo modelo”, concluiu.

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo