CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

28.9.12



Qual é a ordem da votação na urna?
Primeiro, a urna exibirá ao eleitor o painel relativo ao cargo de vereador (5 dígitos). Depois, o painel relativo aos cargos de prefeito e vice-prefeito (2 dígitos).

Posso levar cola na hora de votar?
Sim. Os eleitores podem levar anotados os números dos seus candidatos.

Posso fazer boca de urna?
Não. Boca de urna é a ação dos cabos eleitorais e demais ativistas, denominados "boqueiros", junto aos eleitores que se dirigem à seção eleitoral, promovendo e pedindo votos para o seu candidato ou partido. A Lei Eleitoral proíbe a realização de atividades de aliciamento de eleitores, e quaisquer outras, visando ao convencimento do eleitor nos últimos momentos antes da votação.

Leia mais em Guia do eleitor


Já há maioria de votos no Supremo Tribunal Federal (STF) para condenar seis dos sete parlamentares acusados de corrupção passiva na Ação Penal 470, processo conhecido como do mensalão. Vários placares já são maioria depois das considerações do ministro Gilmar Mendes no capítulo que trata de compra de apoio político entre 2003 e 2004.

Agência Brasil

O deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP, antigo PL) e o ex-presidente do PP Pedro Corrêa foram condenados por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. E os ex-deputados Roberto Jefferson (PTB), Romeu Queiroz (PTB), José Borba (PMDB) e Bispo Rodrigues (PL, atual PR), estão condenados por corrupção passiva.

Apontados como corréus no processo, o ex-assessor do PP João Cláudio Genu foi condenado por corrupção passiva pela maioria dos ministros. O ex-tesoureiro do PL Jacinto Lamas está condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e o sócio da Bônus Banval Enivaldo Quadrado, por lavagem de dinheiro.

O único parlamentar com a situação indefinida é Pedro Henry (PP-MT), que tem placar de 5 votos a 2 nos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Mesmo com a maioria formada, os ministros podem mudar o voto até o final do julgamento.

A conquista de uma vaga em uma universidade pública é um sonho para muitos jovens brasileiros. Dominar o conteúdo exigido no vestibular, no entanto, pode não ser o principal desafio para que um aluno consiga ingressar em instituições de ensino superior. Segundo relatos de candidatos com deficiência, as dificuldades começam antes mesmo de chegar aos locais dos exames que, muitas vezes, não oferecem a acessibilidade necessária.

Agência Brasil

Outras barreiras podem estar embutidas nas próprias questões que os alunos devem resolver nas provas, como contou Maria das Graças Morais, 21 anos. A jovem, que tentou o vestibular da Universidade de Brasília (UnB) cinco vezes, coleciona relatos de problemas.

“Em uma das provas, uma questão deveria ser feita com base na observação da figura de uma bicicleta. Por incrível que pareça, na prova adaptada para o braille não havia a descrição da figura e na prova do ledor, que nos ajuda a saber o que está sendo pedido, também não havia a figura para que ele pudesse descrever o que estava vendo. Como eu poderia fazer aquela questão?”, questiona a jovem, que tem deficiência visual.

Dados do Censo da Educação Superior de 2010 apontam que em um universo de 6,3 milhões de estudantes matriculados em cursos de graduação, apenas 16.328 universitários são identificados como pessoas com deficiência. Desse número, 10.470 estão na rede privada. O dado mostra a realidade sobre a dificuldade de ingresso e permanência dos estudantes com deficiência no ensino superior no Brasil.
A população natalense atualmente reprova a administração da prefeita Micarla de Sousa em mais de 90% e mesmo assim ela tem hoje a maioria na Câmara de vereadores.

Rodolfo Alves | Publicitário e Esp. Gestão Pública.

Já está na hora de deixarmos a prefeita borboleta de lado (não se bate em cachorro morto) e começar a cobrar dos 21 vereadores. Não vamos esperar a eleição para dar nossa resposta, hoje a maioria dos vereadores apoia essa INgestão.

Com uma legislatura conduzida por meio da mentira, corrupção, falta de ética, cinismo, cretinice, querem comandar a cidade por mais quatro anos.

Apesar das várias denúncias contra a administração da prefeita borboleta a #NossaNatal está totalmente abandonada pela prefeitura e por seu grupo de vereadores.

O caos é geral em áreas como limpeza pública, transporte público e outras, serviços essenciais para a população como educação, saúde e assistência social, praticamente não existem.

A população natalense está revoltada com tanta falta de respeito da atual prefeita e do seu grupo de vereadores. Eles não cuidam do bem estar dos natalenses.

A CEI mencionou várias irregularidades praticadas pela atual prefeita, como o mal uso do dinheiro público, obras inacabadas, entre outros assuntos relacionados à saúde. Denúncias que foram ignoradas pelo grupo de vereadores da prefeita (que sempre foi maioria).

Não vamos aceitar esse simples rótulo de "oposição" (uma tentativa de fugir da desastrada gestão) independentes (que na verdade praticam um mandato pra si mesmo, dependendo dos seus próprios interesses) e muitos menos que apoiam e fazem parte desse caos em troca de cargos e favores políticos.

26.9.12


Em greve há nove dias, bancários de todo o país decidem nesta quarta-feira em assembleias se aceitam a nova proposta de aumento salarial apresentada ontem pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). O comando nacional, coordenado pela Contraf-CUT, decidiu recomendar aos 137 sindicatos filiados a aprovação do novo percentual de reajuste, que subiu de 6% para 7,5% (2,02% acima da inflação).

O Globo

Também houve melhora no piso, que passou de 6% para 8,5% (2,95% real) e nos valores de auxílio refeição e alimentação e na parcela fixa da participação nos lucros (PLR), de 10%. 



Os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad 2011) confirmam que a primeira década do século 21 no Brasil foi “inclusiva” do ponto de vista social, com robusta diminuição da desigualdade e redução da pobreza, na avaliação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Agência Brasil

O período guarda os melhores resultados desde quando o país produz estatísticas sobre distribuição de renda. “O Brasil está hoje no menor nível de desigualdade da história documentada”, disse o economista Marcelo Neri, recém-empossado presidente do Ipea. Segundo ele, o índice de Gini (indicador que mede a desigualdade) foi 0,527 em 2011 - o menor desde 1960 (0,535) - quanto mais próximo de zero menor é a desigualdade.

Segundo Neri, a redução tem a ver com o crescimento da renda per capita nos diferentes estratos sociais. Entre 2001 e 2011, o crescimento real da renda dos 10% mais pobres foi 91,2%. Enquanto os 10% mais ricos, o crescimento foi 16,6%. Na opinião de Neri, a melhoria da renda na base da pirâmide relativiza o tímido desempenho das contas nacionais (medido pelo Produto Interno Bruto – PIB).

A Câmara dos Deputados do Uruguai aprovou nesta terça-feira por 50 votos a favor e 49 contra um projeto de lei que descriminaliza o aborto até a 12ª semana de gestação e sem limite em caso de risco para a mãe, sempre que for realizado sob a supervisão das autoridades.

Terra.com.br

Com isso, o país fica a um passo de descriminalizar o aborto, uma vez que o projeto ainda deve ser ratificado pelo Senado, onde provavelmente será aprovado sem dificuldades. Após essa etapa, ficaria faltando apenas a assinatura do presidente José Mujica, que já afirmou que sancionará o projeto.



Nas eleições municipais do próximo dia 7 de outubro, 14.671 presos provisórios e jovens em conflito com a lei poderão votar para prefeito e vereador em 22 estados. São Paulo, o Amazonas e a Bahia têm os maiores números desses eleitores. No total, serão 207 locais de votação em presídios e centros socioeducativos de todo o país, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Agência Brasil

A votação de detentos é organizada pelos tribunais regionais eleitorais (TREs) em parceria com as secretarias estaduais de Segurança Pública. O direito dos presos provisórios e dos jovens de votar está garantido na Constituição Federal, no Artigo 15.

Os adolescentes que cumprem medidas socioeducativas, que estão em idade de votar e têm o título de eleitor, poderão escolher seu candidato. A medida vale para quem é maior de 16 anos e menor de 18. Porém, para esses eleitores será organizada uma estrutura diferenciada.

No caso dos menores, as medidas envolvem questões de segurança, a formação de mesas eleitorais em presídios e em entidades de internação de adolescentes, além da convocação de mesários preparados para esse tipo de atendimento.

Para essas votações envolvendo jovens em conflito com a lei os mesários serão indicados pelos juízes eleitorais. As pessoas serão escolhidas nos departamentos penitenciários, entre os representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Defensoria pública, vinculados ao atendimento dessas necessidades.

25.9.12


O vernáculo nos oferece uma definição de uma palavra de grande valor para suportar as agruras que a vida nos apresenta – solidariedade: “s.f. Dependência mútua entre pessoas, que leva a se auxiliarem mutuamente.”

Carlos Roberto de Miranda Gomes, advogado e escritor

Sua evidência acontece quando damos uma carona amiga a estudantes no trajeto de suas escolas, de alguém doente para um hospital, de um acidentado, de um deficiente, na dor de um amigo, enfim, nos instantes em que se está carente de algum sentimento ou ajuda.

Por que resolvi levantar esse questionamento? Em razão da deficiência inexplicável do serviço público na cidade de Natal, pela omissão ou incompetência das ações da Prefeitura ou Governo do Estado, que não cumpre com suas tarefas mínimas e básicas, com maior repercussão na saúde, na educação e na segurança.

Neste domingo, em razão de uma contaminação coletiva de vírus, convoquei todos os meus filhos para um mutirão solidário para ajuda mútua aos enfermos, principalmente, aos idosos e crianças da nossa família. A postos em minha residência, solicitamos a ajuda do médico da família Ricardo Guedes, clínico geral, que prontamente atendeu o nosso chamamento e, um a um, foi examinando clinicamente, avaliando a situação e receitando cada indicação de medicamentos, avaliando os portadores de alergias e debilidade dos pacientes.

Com a aquisição imediata dos remédios e início de sua ingestão, tivemos logo o alento de melhoras de alguns, sendo estipulada uma espécie de “escala” de plantão, permitindo que no turno mais difícil, o noturno, a situação fosse amenizada, tranquilizando a todos e aliviando a cada um.

Enquanto isso, nos chegavam notícias alarmantes da deficiência do atendimento na rede hospitalar oficial e até o aconselhamento de que não fosse procurada, pelo risco oferecido de mal atendimento e das infecções que cercam tais estabelecimentos, contabilizando até óbitos. Triste fim, triste fim, expressão que nos faz lembrar de um mendigo que sempre nos procurava – “gambalino” e que deve ter falecido, pois já algum tempo não dá notícias. Ele ao ouvir o canto dos bem-te-vis que habitavam nosso terreiro – “bem ti vi”, retrucava que as avezinhas estavam debochando dele, entoando o canto do “triste fim”.

É um tema trivial, mas que reforça a verdade da importância da solidariedade familiar nos momentos difíceis. Que assim seja e assim continue “ad perpetua memória”!


Embora a chance de cura do câncer de mama chega a 95% caso a detecção seja precoce, uma parcela das mulheres brasileiras ainda vê a doença como incurável. Para 20% das mulheres, o diagnóstico do câncer de mama é praticamente uma sentença de morte. Essa é uma das conclusões de um levantamento inédito feito a pedido do Instituto Avon pelo Data Popular, que colheu as percepções sobre o câncer de mama de 1.752 pessoas de 50 cidades das cinco regiões do País.

Mariana Lenharo, Estadão.com.br

Foram entrevistadas 1.000 mulheres saudáveis, 240 mulheres que têm ou tiveram câncer de mama, 400 homens, além de médicos, gestores de saúde e profissionais de ONGs ligadas ao tema. A amostra incluiu pessoas de todas as classes sociais.



Os grandes agronegocistas brasileiros estão pressionando o governo e o Congresso, a fim de que sejam abolidas as restrições (já de si débeis) à aquisição de terras nacionais pelos estrangeiros. Eles querem ganhar, ao se associarem aos capitais de fora ou participando da especulação de terras.

Por Mauro Santayana*

Há cem anos, sobre um vasto território entre o Paraná e Santa Catarina, uma empresa norte-americana, a Southern Brazil Lumber & Colonization, reinava absoluta. Com a maioria de empregados norte-americanos, contratados por Percival Farquhar, que pretendia transformar o Brasil em vasta empresa de sua propriedade, a Lumber abatia todas as árvores de valor comercial, da imbuia à araucária. Todas as manhãs, ao som de um gramofone, os empregados – incluídos os brasileiros – reunidos na sede da empresa, em Três Barras, entoavam o hino norte-americano, The Star-Spangled Banner, enquanto a bandeira de listras e estrelas era hasteada. Ao anoitecer, repetia-se a cerimônia, ao recolher-se o pavilhão. Ali mandavam e desmandavam os ianques. O imenso espaço em que se moviam os homens de Farquhar estava fora da jurisdição brasileira. 

Embora não houvesse sido a única razão do conflito, a Lumber esteve no centro da Guerra do Contestado, um dos mais épicos movimentos de afirmação nacionalista do povo brasileiro. Nele, houve de tudo, dos interesses econômicos de Farquhar e seus assalariados pertencentes às oligarquias políticas, ao fanatismo religioso, em que não faltou uma Joana d’Arc – a menina Maria Rosa morta aos 15 anos na beira do Rio Caçador, lutando como homem.

No mesmo dia em que o Irã anunciou o bloqueio do Google e o Vietnã enviou para a prisão três reconhecidos blogueiros por suas críticas ao governo, um relatório da ONG Freedom House, divulgado nesta segunda-feira, mostra que as restrições governamentais na internet cresceram em todo o mundo no último ano.

O Globo

Na topo da lista dos países que mais reduziram sua liberdade virtual desde janeiro do ano passado estão Paquistão, Bahrein e Etiópia, que fazem parte do grupo de 20 países que caíram no ranking, de um total de 47. Tunísia, Líbia e Mianmar, ao contrário, mostraram uma ligeira abertura em relação aos anos anteriores. 


24.9.12


Escrevíamos anteriormente neste espaço que a crise da Igreja-instituicão-hierarquia se radica na absoluta concentração de poder na pessoa do Papa, poder exercido de forma absolutista e distanciado de qualquer participação dos cristãos, criando obstáculos praticamente intransponíveis para o diálogo ecumênico com as outras Igrejas.

Por Leonardo Boff*

Não foi assim no começo. A Igreja era uma comunidade fraternal. Não havia ainda a figura do Papa. Quem comandava na Igreja era o Imperador pois ele era o Sumo Pontífice (Pontifex Maximus) e não o bispo de Roma ou de Constantinopla, as duas capitais do Império. Assim o imperador Constantino convocou o Primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia (325) para decidir a questão da divindade de Cristo. Ainda no século VI o imperador Justiniano que refez a união das duas partes do Império, a do Ocidente e a do Oriente, reclamou para si o primado de direito e não o do bispo de Roma. No entanto, pelo fato de em Roma estarem as sepulturas de Pedro e de Paulo, a Igreja romana gozava de especial prestígio, bem como o seu bispo que diante dos outros tinha a "presidência no amor” e o "exercia o serviço de Pedro” o de "confirmar na fé” e não a supremacia de Pedro no mando.

Tudo mudou com o Papa Leão I (440-461), grande jurista e homem de Estado. Ele copiou a forma romana de poder que é o absolutismo e o autoritarismo do Imperador. Começou a interpretar em termos estritamente jurídicos os três textos do Novo Testamento atinentes a Pedro: Pedro como pedra sobre a qual se construiria a Igreja (Mt 16,18), Pedro, o confirmador da fé (Lc 22,32) e Pedro como Pastor que deve tomar conta das ovelhas (Jo 21,15). O sentido bíblico e jesuânico vai numa linha totalmente contrária: do amor, do serviço e da renúncia a toda supremacia. Mas predominou a leitura do direito romano absolutista. Consequentemente Leão I assumiu o título de Sumo Pontífice e de Papa em sentido próprio. Logo após, os demais Papas começaram a usar as insígnias e a indumentária imperial (a púrpura), a mitra, o trono dourado, o báculo, as estolas, o pálio, a cobertura de ombros (mozeta), a formação dos palácios com sua corte e a introdução de hábitos palacianos que perduram até os dias de hoje nos cardeais e nos bispos, coisa que escandaliza não poucos cristãos que leem nos Evangelhos que Jesus era um operário pobre e sem aparato. Então começou a ficar claro que os hierarcas estão mais próximos do palácio de Herodes do que da gruta de Belém.

Apesar dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2011, divulgada na última sexta-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontarem pequenos avanços na área de educação, a melhoria é muito lenta para o patamar de qualidade em que o Brasil se encontra.

Agência Brasil

A opinião é da diretora executiva do Movimento Todos pela Educação (MTE), Priscila Cruz, advogada que atua na defesa da educação de qualidade há dez anos. Segundo ela, o critério usado pelo IBGE para definir analfabetismo não leva em conta o nível de proficiência dos alunos em leitura e escrita.

“Alfabetização é muito mais do que escolarização. O IBGE olha os jovens e adultos com mais de 15 anos, aqueles que têm quatro anos ou mais de escolaridade já é considerado alfabetizado. Mas como a gente tem uma qualidade de educação muito ruim no Brasil, o que acontece é que tem muita criança de 11, 12 anos, jovem que está no ensino médio com 15, 17 anos, que ainda é analfabeto. Infelizmente isso ainda é uma realidade no nosso país”, explica Priscila.

23.9.12


O cientista político Eurico de Lima Figueiredo, professor de pós-graduação em ciência política da Universidade Federal Fluminense (UFF), está bastante otimista em relação aos resultados da eleição deste ano, em razão do primeiro ano de vigência da Lei da Ficha Limpa.

Agência Brasil

Ele manifestou que além de ter um sistema eleitoral sofisticado, “um dos mais avançados do mundo, com urnas eletrônicas, nós temos leis como essa [da Ficha Limpa], que depuram os candidatos. E temos um sistema jurídico, eleitoral, que é autônomo e tem utilizado sua faculdade para vigiar e punir”, disse àAgência Brasil.

Figueiredo destacou que se o eleitor tiver um estudo dos candidatos que são punidos pela Justiça Eleitoral, mesmo depois de eleitos – governadores, prefeitos, senadores, deputados, que perderam inclusive os seus mandatos -, verifica que tem um sistema que funciona.

“Então eu vejo com muita alegria, como cidadão, e como cientista político, vejo como a capacidade que a sociedade brasileira tem demonstrado de fazer crescer entre nós o sistema republicano e os processos democráticos de convivência política”.

Para o professor Eurico de Lima Figueiredo, essa é uma etapa “mais graduada, superior, do nosso processo político democrático, após um corte autoritário em 1985”. Segundo ele, o processo republicano ganha cada vez mais uma nova consistência, e o mesmo ocorre em relação à vida democrática.

“Ou seja, é um motivo de orgulho para todos nós, porque nunca tivemos isso na história da República”. Explicou que em comparação ao Brasil de há 100 anos, quando a eleição era feita a bico de pena, muita evolução ocorreu no país.


Acesso à rede cresceu 14,7% em dois anos; região Centro-Oeste registrou maior crescimento proporcional

Carla Falcão - iG Rio de Janeiro

O Brasil já tem 77,7 milhões de pessoas conectadas à Internet. Entre 2009 e 2011, o número de usuários de internet cresceu 14,7%, o que representa um acréscimo de 9,9 milhões de pessoas. Os números fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2011 (Pnad, divulgada nesta sexta-feira (21) pelo IBGE.

Em três regiões do País, o número de usuários já ultrapassou a metade da população. No Sudeste, 54,2% da população acessam a internet. No Centro-Oeste, esse número chega a 53% e, no Sul, a 50,1% dos habitantes

O Centro-Oeste foi ainda o destaque positivo da pesquisa, com maior crescimento proporcional, de 17,2%, ou 1 milhão de pessoas. Já no Norte e no Nordeste, apenas pouco mais de um terço da população tem acesso à internet (35,4% no Norte e 34% no Nordeste). A despeito do crescimento expressivo, apenas 46,5% da população brasileira acessam a internet.

Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira, população brasileira em 2011 era de 195,2 milhões, um aumento de 3,5 milhões em relação a 2009

iG São Paulo 

O número de mulheres no Brasil superou os 100 milhões, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2011. O estudo divulgado nesta sexta-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima a população brasileira em 195,2 milhões, com um crescimento de 1,8% (3,5 milhões) em relação aos dados da última Pnad, feita em 2009

Segundo o IBGE, maioria entre os brasileiros, as mulheres representavam 51,5% (100,5 milhões de pessoas) desta população e os homens, 48,5% (94,7 milhões). A proporção de mulheres apresentou uma pequena elevação em relação a 2009, que era estimada em 51,3%.

A comparação da população levando em conta as diferenças de sexo e idade mostrou que, embora as mulheres fossem maioria na população total, nos grupos de idade mais jovens, os homens eram maioria. Enquanto as mulheres de 0 a 29 anos de idade correspondiam a 46,7% da população feminina, aquelas com 30 anos ou mais de idade, correspondiam a 53,3%. Para os homens, os percentuais foram de 50,5% e 49,5%, respectivamente.


O jornalismo e a reportagem estão mortos? Esta foi a pergunta que marcou o debate “Tempo de reportagem e o papel do jornalismo”, ocorrido na última quinta-feira (20), no Barão de Itararé, em São Paulo. Audálio Dantas, jornalista e escritor; Ricardo Kotscho, jornalista da TV Record e autor do blog Balaio do Kotscho; e Natalia Vianna, da Agência Pública.

Por: Felipe Bianchi, no sítio do Barão de Itararé

Eles discutiram a influência da Internet, a crise da mídia tradicional e o esvaziamento político da profissão no Brasil.

Na opinião de Audálio Dantas, os veículos independentes exercem um papel fundamental no jornalismo atual. “ A mídia alternativa tem uma função parecida com a que veículos como Opinião, Movimento, entre outros, tinham durante a ditadura, ainda que estejamos em um período de democracia”, diz. No entanto, Dantas ressalta que a realidade democrática ainda não é a ideal: “Às vezes esquecemos que rádios comunitárias são discriminadas descaradamente, por exemplo. A sociedade tem que dispor de instrumentos para que trate de defender seus interesses, que é o direito à comunicação”.

Audálio Dantas, hoje aos 80 anos e membro do Conselho Consultivo do Barão de Itararé, presidiu o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo durante a ditadura militar e também foi deputado federal. “Havia uma luta cerrada, pela qual dediquei meio mandato parlamentar meu, contra a concessão de canais de televisão e rádio a parlamentares ou seus laranjas. São concessões públicas, de propriedade do Estado, usadas indevidamente não só por políticos e seus interesses paroquiais, mas também usadas indevidamente por grandes grupos de comunicação”.

22.9.12

Drumond em casa

Em 1925, o jovem poeta Carlos Drummond de Andrade publicou n'A Revista, de Belo Horizonte, um artigo intitulado "Sobre a tradição em literatura", no qual afirma que, em relação a Machado de Assis, o melhor a fazer é repudiá-lo. 

Por Hélio Guimarães 

Aos 22 anos, cheio de ímpeto juvenil, Drummond considerava Machado um romancista tão curioso quanto monótono, mestre de falsas lições, um "entrave à obra de renovação da cultura geral".

Machado de Assis o Bruxo do Cosme Velho
Três décadas mais tarde, em 1959, Drummond publicou o poema "A um Bruxo com Amor", uma das mais belas homenagens de escritor para escritor na literatura brasileira. O bruxo do título, obviamente, é Machado; e o poema compõe-se quase inteiramente de frases e expressões tiradas de crônicas, poemas, contos e romances do autor de Dom Casmurro.

O que teria se passado com Drummond?

Essa rendição a Machado tem muito a ver com a trajetória do poeta, que ao longo dos anos se distanciou do modernismo iconoclasta, aproximando-se mais e mais da tradição literária, compondo também poemas com metros, rimas e formas clássicas.

Mas essa assimilação lenta e tardia da obra de Machado de Assis mostra também como ele foi uma enorme pedra no caminho dos primeiros modernistas, investidos do propósito combativo de romper com tudo o que soasse a convenção e academicismo. Machado, fundador e presidente vitalício da Academia Brasileira de Letras, foi também um emblema do espírito convencional e acadêmico, aspectos seus muito valorizados nos anos compreendidos entre sua morte, em 1908, e a renovação modernista.

A redução no número de crianças de 5 a 13 anos que trabalham no país entre 2009 e 2011 é pouco expressiva e confirma que o Brasil tem pela frente o desafio de intensificar as políticas públicas voltadas para a erradicação do trabalho infantil. A avaliação é da secretária  executiva do Fórum Nacional para a Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPeti), Isa Oliveira.

Agência Brasil

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2011 (Pnad), divulgada hoje (21), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o contingente de crianças nessa faixa etária que trabalham caiu 23,5% entre os dois anos, mas ainda soma 704 mil.

“Trata-se de uma redução pequena, pouco expressiva.” Para ela, os dados indicam que o Brasil não vai cumprir a meta das Nações Unidas de erradicar as piores formas de trabalho infantil até 2016 e todas as formas de trabalho infantil até 2020. Ela lembrou que, pela legislação brasileira, o trabalho de crianças com 13 anos ou menos é ilegal.

A secretária executiva defende que toda criança, a partir dos 5 anos, esteja na pré-escola ou na escola, tendo assegurado o acesso à educação de qualidade que inclua a oferta de atividades esportivas, de lazer e culturais.

A taxa de analfabetismo entre pessoas com 15 anos ou mais caiu de 9,7% em 2009 para 8,6% em 2011, totalizando 12,9 milhões de brasileiros. A maior proporção ainda é verificada na Região Nordeste, mesmo com queda na taxa de 18,8% para 16,9%.

Agência Brasil

Segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2011, divulgada hoje (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 96,1% dos analfabetos do país têm 25 anos ou mais. Mais da metade deles se concentram na faixa acima de 50 anos.

A gerente da Pnad, Maria Lúcia Vieira, destaca a desigualdade regional na taxa de analfabetismo. De acordo com os dados, 35,6% das pessoas no Nordeste com 50 anos ou mais eram analfabetas em 2011.

“As taxas de analfabetismo para as populações até 24 anos são muito baixas, no Sul e no Sudeste, então, não chega a 1%. Elas são maiores quando a gente vai para as regiões Norte e Nordeste e conforme a faixa etária vai aumentando”, destaca Maria Lúcia.

Para a diretora executiva do Movimento Todos pela Educação, Priscila Cruz, a pesquisa do IBGE não leva em conta o nível de proficiência dos alunos em leitura e escrita.

Em 35 anos o número de calorias que o norte-americano médio consome em refrigerantes e outras bebidas doces duplicou, fazendo dessa a maior fonte de calorias na dieta

Reuters

Enquanto os norte-americanos discutem qual é o maior vilão da epidemia nacional de obesidade, pesquisadores disseram ter encontrado os mais fortes indícios até agora de que as bebidas açucaradas têm grande participação nisso, e que eliminá-las seria a mais eficaz ação à disposição.

Três estudos sobre o assunto foram publicados nesta sexta-feira (21) na revista New England Journal of Medicine.

"Não conheço nenhuma outra categoria de alimentos cuja eliminação possa produzir perda de peso num período tão curto", disse David Ludwig, diretor do Centro de Prevenção à Obesidade da Fundação Novo Equilíbrio, do Hospital Infantil de Boston, que coordenou um dos estudos.

"O mais efetivo alvo individual para uma intervenção destinada a reduzir a obesidade são as bebidas açucaradas."

21.9.12


Como a História nos mostra, poder e crise são categorias companheiras. Quando as sociedades se poupam de crises, privam-se de dinamismo e se arrastam em pausas sonolentas. O confronto político, por mais irritante seja, é necessário à vida, e evita os conflitos sangrentos. 

Por Mauro Santayana, em seu blog

A corrupção dos poderosos – e não do poder, em sua natureza abstrata – é infecção quase endêmica e associada ao surgimento da propriedade privada sobre os bens comuns. Ter mais é ter mais, seja de que forma for. Para fazer frente a isso, os homens criaram o Estado, em sua origem e fim destinado a assegurar o mínimo de justiça e encarnar a solidariedade da espécie. Mas o Estado é também assaltado, o que exige a vigilância e a resistência dos cidadãos. E, em nome da moralidade do Estado sempre se instalam as ditaduras sangrentas (e igualmente corruptoras e corrompidas). Não precisamos nacionalizar essa constatação.

A semana começa inquieta com revelações atribuídas a Marcos Valério, um homem comum e ambicioso, que se tornou, pelas circunstâncias, o eixo da Ação 470, em julgamento pelo Supremo Tribunal Federal. Ele sabe que sua sorte já se encontra decidida, e nada irá evitar a pena a lhe ser imposta pelos seus julgadores. Por isso, busca mostrar-se como mero instrumento de uma conspiração com financiamento espúrio, mas não foi bem assim. Atuou com inteligência tática, construindo um projeto de elaborada engenharia econômica e de convencimento político. É certo, e já dissemos isso, que, movendo-se entre banqueiros – que seriam os grandes beneficiários do esquema – ele agiu com ilusão de classe.

Atualmente mais da metade da população brasileira (53%) fazem parte da classe média, o que significa um total de 104 milhões de brasileiros. Nos últimos dez anos, foram 35 milhões os brasileiros incluídos na classe média. Os dados foram divulgado ontem (20) pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República no estudo Vozes da Classe Média.

Agência Brasil

A pesquisa classifica como classe média os que vivem em famílias com renda per capita mensal entre R$ 291 e R$ 1.019 e tem baixa probabilidade de passar a ser pobre no futuro próximo.

De acordo com o estudo, a expansão desse segmento resultou de um processo de crescimento do país combinado com redução na desigualdade. A estimativa é que, mantidas a taxa de crescimento e a tendência de queda nas desigualdades dos últimos dez anos, a classe média chegue a 57% da população brasileira em 2022.

Os dados indicam que a redução da classe baixa foi mais intensa do que a expansão da classe alta. De 2002 a 2012 ascenderam da classe baixa para a média, 21% da população brasileira, enquanto da classe média para a alta ascenderam 6%.

Uma pesquisa publicada nesta quinta-feira observou uma "crescente onda de restrições à religião" na maior parte do mundo, entre 2009 e 2010. Segundo levantamento do Instituto Pew, dos EUA, a porcentagem de países com "altas ou muito altas" restrições às práticas religiosas aumentou de 31%, em meados de 2009, para 37%, em meados de 2010.

BBC Brasil

"Como alguns dos países mais restritos são populosos, 3/4 da população global vive em países com altas restrições governamentais à religião ou fortes hostilidades sociais envolvendo a religião", diz o levantamento.



O filme O Palhaço, dirigido por Selton Mello, será o representante brasileiro na disputa a uma vaga para concorrer ao prêmio de melhor filme estrangeiro do Oscar 2013, nos Estados Unidos. A escolha foi feita hoje (20) por uma comissão especial que se reuniu na sede do Ministério da Cultura, na capital fluminense.

Agência Brasil

A decisão, consensual, dos seis membros presentes da comissão considerou critérios artísticos e da capacidade de distribuição e promoção do filme no exterior.

20.9.12


Apesar da queda dos juros básicos da economia — que estão no seu menor patamar histórico — os brasileiros ainda pagam a maior taxa média no cartão de crédito. Levantamento em nove países — Argentina, Chile, Colômbia, Peru, Venezuela, México, EUA e Reino Unido, além do Brasil — mostrou que o país cobra 238,30% ao ano. O número é mais de quatro vezes o registrado pelo Peru, o segundo colocado, com taxa de 55%, muito próxima aos 54,24% do Chile.

Lucianne Carneiro, O Globo

A Argentina é o quarto país com a maior taxa, de 50%, seguido por México (33,8%), Venezuela (33%) e Colômbia (29,23%). Nos EUA e no Reino Unido, a taxa é muito inferior, de 16,89% e 18,7%, respectivamente. O estudo incluiu dados da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), da Proteste e dos sites Index Credit Cards e Money Facts, dos EUA e Reino Unido, respectivamente. 



A votação do projeto de lei que institui o marco civil da internet, prevista para ontem (19), foi adiada para depois das eleições municipais. O relator do projeto na comissão especial, deputado Alessandro Molon (PT-RJ), propôs o adiamento da votação após ser informado de que seriam apresentados votos em separado ao seu parecer, que foi entregue aos deputados da comissão em julho.

Agência Brasil

O projeto do marco civil da internet é um conjunto de regras que estabelece os princípios que devem nortear o uso da internet no Brasil, direitos dos usuários, obrigações dos provedores do serviço e responsabilidades do Poder Público.

De acordo com o relator, é mais prudente deixar a votação para depois das eleições, uma vez que a presença de deputados será maior, o que possibilitará a aprovação do seu parecer. Segundo Alessandro Molon, a maior resistência para a aprovação do seu relatório diz respeito à chamada neutralidade de rede, um dos pilares do seu parecer.

Na avaliação do relator, outros pontos considerados essenciais são a proteção aos dados pessoais do usuário e a garantia da liberdade de expressão.


O governo prepara regras mais duras para a previdência complementar, tanto para os fundos de pensão fechados — patrocinados por estatais e outras empresas — quanto para os abertos, administrados por instituições financeiras e seguradoras, os chamados VGBLs e PGBLs. As entidades fechadas serão obrigadas a corrigir a rentabilidade de seus ativos por uma meta atuarial mais baixa, em linha com a queda da Selic, o que vai exigir mais recursos em caixa para pagar aposentadorias no futuro.

Geralda Doca, O Globo

Atualmente, os fundos podem corrigir suas receitas em percentual máximo de 6% além da inflação. Esse teto deverá cair para 5,5%. E, no caso do fundo de pensão que acumular superávit, a correção baixará para 4,5%. Por lei, como estas entidades não visam lucro, o ganho excedente é repartido entre as participantes.



Os Correios suspenderam nesta quarta-feira (19) as entregas com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje e Disque-Coleta) na cidade de São Paulo e região metropolitana, no Distrito Federal e nos estados de Tocantins e Paraná por causa da greve dos funcionários da empresa.

G1

Apesar de a estatal mencionar apenas essas quatro regiões, 25 dos 35 sindicatos de servidores já decidiram paralisar as atividades, de acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect). As outras dez unidades de base decidem até a próxima terça-feira (25) se também cruzam os braços.


A influência do senador cassado Demóstenes Torres (foto abaixo) na composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) vem retardando uma decisão sobre o pedido de afastamento dele do cargo de procurador de Justiça em Goiás.

Vinicius Sassine e Paulo Celso Pereira, O Globo


Quando era senador, Demóstenes foi determinante para a indicação de pelo menos dois dos 14 conselheiros do CNMP: Fabiano Augusto Silveira, que ocupa a vaga destinada ao Senado, e Tito Amaral, um dos representantes dos MPs nos estados. Silveira foi sorteado relator do procedimento que pede o afastamento de Demóstenes. Na última sexta-feira, 19 dias depois de assumir a relatoria, o conselheiro se declarou impedido para a função. 



O governo do Brasil responde hoje (20), no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (CDH), em Genebra, na Suíça, às recomendações feitas por 78 delegações estrangeiras e divididas em dois blocos: o sistema prisional brasileiro e a realização de grandes eventos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Do total de 170 recomendações, o Brasil atenderá a 159. A Agência Brasil teve acesso ao documento preliminar que será apresentado pelas autoridades brasileiras.

Agência Brasil

Entre os temas sugeridos pelas delegações aparecem em destaque as questões sobre denúncias de irregularidades nas prisões brasileiras, como superlotação e torturas, a desmilitarização da polícia e a violação de direitos dos indígenas, além de questões de gênero, como a legalização da união entre pessoas do mesmo sexo.
Além das 159 recomendações que o governo vai acatar, dez serão atendidas apenas parcialmente. O documento preliminar não traz detalhes sobre as propostas.

“[No documento o Brasil] expressa a aceitação de quase todas as recomendações formuladas, 159 de um total de 170 recomendações, na medida em que o Brasil compartilha os ideais e está comprometido com sua implementação”, diz o texto preliminar.

18.9.12


Matéria publicada no site Congresso em Foco revela a atividade parlamentar do deputado federal mais votado nas eleições de 2010: Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca (PR-SP). Com 1,3 milhão de votos, o primeiro palhaço eleito deputado na história do país compareceu a todas as 171 sessões de votação da Câmara e teve um de seus sete projetos de lei – todos voltados para o circo e educação - aprovado por unanimidade por uma Comissão da Câmara. Confira a íntegra abaixo.

Tiririca está entre os parlamentares mais votados em concurso
que elege os melhores deputados / Foto: Antonio Cruz ABr
Fonte: Congresso em Foco

O primeiro palhaço eleito deputado na história do país está rindo à toa. No último mês, Tiririca (PR-SP) viu uma proposta de sua autoria dar o primeiro passo para virar lei e foi indicado por jornalistas que cobrem o Legislativo como um dos 25 melhores deputados do ano. Com a indicação na primeira fase, e disputa agora o voto do internauta, que definirá a ordem final de classificação do Prêmio Congresso em Foco 2012, que será entregue no dia 8 de novembro.

“Para mim, só de estar na lista é uma vitória. Não sou político, estou político. É uma diferença grande. Estou bem pra caramba. E o mais importante: sem deixar de ser eu mesmo aqui”, comemora. Ele acredita que está surpreendendo quem não apostava em sua atuação. “Estou superfeliz com isso, mostrando para os meus eleitores que eles não deram voto perdido. Não estou fazendo feio. Não quero decepcionar o povo nem me decepcionar”, afirma.

Na Câmara há um ano e meio, Tiririca conta estar “totalmente adaptado” ao trabalho parlamentar e que se sente cada vez mais livre no exercício do mandato. “Cabe a você caminhar pelo caminho certo ou errado. Aqui, tem esses dois caminhos. A responsabilidade é maior, qualquer vacilo que eu der, a imprensa e os colegas vão cair em cima: ‘Oh, o palhaço está fazendo palhaçada’”, diz. “Eu me sinto vigiado aqui 24 horas”, acrescenta.

Apoio ao circo

O ministro Joaquim Barbosa, relator da Ação Penal 470 no Supremo Tribunal Federal (STF), acredita que houve esquema de compra de votos no Congresso Nacional, o chamado mensalão. Apesar de não ter concluído sentenças para cada réu, o ministro já indica que deve condenar grande parte dos acusados desta etapa, em que se analisa o sexto capítulo da denúncia do Ministério Público Federal (MPF).

Agência Brasil

Barbosa começou seu voto com um quadro geral sobre as acusações do Capítulo 6, que trata dos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, envolvendo os partidos da base aliada do governo entre 2003 e 2004.

De acordo com o relator, por mais que as defesas neguem, há prova robusta, incluindo depoimentos de peças-chave no processo, de que houve transferência de cerca de R$ 55 milhões do esquema, viabilizado pelo publicitário Marcos Valério, ao PP, PL (atual PR), PTB e PMDB.

“A listagem apresentada por Marcos Valério e Simone Vasconcelos, contendo os nomes dos beneficiários, foi reconhecida por Delúbio Soares como verdadeira em vários momentos”, disse Barbosa, argumentando que não importa o que foi feito com o dinheiro, pois a corrupção já estava configurada.

A partir de hoje (18), bancários de todo o país entram em greve por tempo indeterminado. A paralisação inclui tanto bancos públicos quanto privados, segundo informou Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Com isso, clientes de bancos que pretendem ir a uma agência bancária amanhã poderão encontrar funcionando apenas os caixas eletrônicos, embora Juvandia admita que, em geral, no primeiro dia de greve, a adesão dos trabalhadores ainda não seja muito grande.

Agência Brasil

“A greve começa nos principais corredores [locais com grande concentração de bancos, tais como o centro de São Paulo e a Avenida Paulista] e depois vai atingindo e ampliando para um maior número de agências e também pegando as concentrações bancárias”, disse Juvandia, em entrevista coletiva realizada na tarde de ontem (17), em São Paulo. “Os caixas eletrônicos vão funcionar. O cliente que for à agência vai ter o caixa eletrônico disponível. Mas não vai ter atendimento ao público”.

Segundo Juvandia, desde o dia 1º de agosto, quando a pauta de reivindicações foi entregue, ocorreram nove rodadas de negociação, sem que tivesse sido estabelecido um acordo com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

Apresentado no festival É Tudo Verdade, em abril, o documentário “Tropicália” estreia agora no circuito comercial com 10 salas em São Paulo e mais 25 em cinemas espalhados pelo Brasil. É o mais completo filme sobre um dos movimentos culturais brasileiros mais importantes do fim do século 20.

Diário de São Paulo



A Tropicália durou pouco mais de um ano, entre 1967 e 1968, e foi contemporânea das revoluções culturais e políticas que tiveram epicentros também em São Francisco, Nova York, Paris e Praga.

Rico em detalhes, o “Tropicália”, de Renato Terra e Ricardo Calil, consegue cumprir a árdua tarefa de combinar entretenimento com didatismo e as delícias de ter em suas mãos cenas inéditas e trechos raros, como uma gravação de uma participação de Caetano e Gil em Portugal a caminho do exílio em Londres, onde viveram de 1969 a 1973. “Nós já não estamos no Brasil e não há mais o Tropicalismo como movimento”, dizia Caetano no vídeo.

Em 82 minutos, enquanto Caetano Veloso, Gilberto Gil, Nara Leão, Rita Lee, Gal Costa, Sergio Dias, Arnaldo Baptista, Rogério Duprat (1932-2006), entre outros, abordam os bastidores culturais que antecederam a Tropicália, Tom Zé alinhava tudo, em uma palestra lúcida e divertida.

Com a ajuda do roteirista Di Moretti, Machado intercalou às entrevistas sequências com imagens históricas, a trilha de canções-símbolo como “Domingo do Parque” (de Gil), “Alfomega” e “Tropicália” (de Caetano), “Bat Macumba” (de Gil e Caetano) e as belas vinhetas multicoloridas de Gabriel Bittar.

Mesmo se não alcançar o sucesso de seu antecessor histórico, “Uma Noite em 1967” (2010), com 70 mil ingressos vendidos, já é uma alegria prever que ganhará lugar cativo nas bibliotecas.

17.9.12


O Valor me convida para arriscar prognósticos a respeito da crise internacional e avançar projeções sobre o desempenho da economia brasileira. Não sei se abuso da confiança que me empresta o jornal, mas vou traduzir livremente o significado de prognósticos. Sabedor das precariedades que cercam as previsões em geral e especialmente as antecipações dos economistas, farei "Perguntas ao Futuro".

Por Luiz Gonzaga Belluzzo, no Valor

Para começo de conversa, digo que as questões suscitadas nas origens da vida moderna ainda não obtiveram resposta. Nos tempos de prosperidade, elas hibernam e aí dos que ousam despertá-las. Mas no fragor das crises elas voltam a assombrar o mundo dos vivos. Nesses tempos, a incômoda pergunta não quer calar: em que momento homens e mulheres - sob o manto da liberdade e de igualdade - vão desfrutar da abundância e dos confortos que o capitalismo oferece em seu desatinado desenvolvimento?

O capitalismo da grande indústria, da finança e da construção do espaço global, entre crises e recuperações, exercitou os poderes de transformar e dominar a natureza - até mesmo de reinventá-la - suscitando desejos, ambições e esperanças. A versão panglossiana desses prodígios nos ensina que a admirável inclinação para revolucionar as forças produtivas hão de aproximar homens e mulheres do momento em que as penas do trabalho subjugado pelo mando de outrem seriam substituídas pelas delícias e liberdades do ócio com dignidade.

A secretária executiva da secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, Aparecida Gonçalves, afirmou que o maior desafio do país é tornar os serviços de proteção a mulher institucionalizados por legislações estaduais e municipais. Segundo ela, esse serviços não podem ser programas de um governo ou outro, mas sim de uma política nacional.

Agência Brasil

Outro ponto citado pela secretária é a destinação de recursos para esses políticas. “A Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, da Secretaria de Política para Mulheres (SPM), tem para este ano R$ 37 milhões em recursos que são distribuídos aos estados mediante convênios”. Ela afirma que os estados e municípios devem destinar recursos próprios para os serviços de combate à violência. “Eles [estados e municípios] não podem sobreviver única e exclusivamente dos recursos federais”.

A rede de enfrentamento à violência contra a mulher no Brasil conta com aparatos que variam desde o recebimento de denuncias [Ligue 180] ao abrigo de mulheres que correm risco de morte [casas abrigo]. No entanto, o número de espaço destinados à proteção e ao acolhimento das vitimas atinge menos de 10% dos municípios brasileiros. Ao todo são 380 Delegacias Especializadas em Atendimento à Mulher (Deam).

O julgamento da Ação Penal 470, conhecida como processo do mensalão, chega ao ponto crucial nesta segunda-feira (17). Depois de 23 sessões com dedicação exclusiva ao processo, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) começarão a analisar se houve pagamento de propina a parlamentares da base aliada em troca de apoio ao governo, no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de onde veio o termo "mensalão" usado pela imprensa.

Agência Brasil

A sessão começará com o voto do relator, ministro Joaquim Barbosa, sobre o sexto capítulo da denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF). Esta etapa trata dos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro entre os partidos da base aliada do governo de 2003 a 2004.

Incluindo 23 dos 37 réus de todo o processo, esta é a maior fatia do julgamento. O relator já informou que deve demorar pelo menos uma sessão e meia para ler seu voto, e pediu sessão extra para que a Corte consiga terminar esta etapa em tempo razoável. Os ministros devem analisar a proposta no início da sessão desta segunda.

De acordo com a acusação, os petistas José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoíno “articularam ofereceram e, posteriormente, pagaram vultosas quantias a diversos parlamentares federais, principalmente os dirigentes partidários”, para conseguir apoio político para votar as projetos de interesse do governo, em especial, as reformas tributária e da Previdência em 2003.

Dados do Target Group Index apontam algumas das diferenças entre os sexos na hora das compras

Fonte: Ibope

Homens e mulheres têm comportamentos diferentes quando o assunto é consumo? Dados do Target Group Index, do IBOPE Media, demonstram que sim. 

A partir da análise dos hábitos da população residente nas principais capitais e regiões metropolitanas do País, os indicadores apontam variações nas prioridades e escolhas entre consumidores de sexos diferentes.

As diferenças começam pela sensação de prazer que as compras proporcionam. Para a maioria das mulheres (55%), o ato de comprar, independentemente do produto, resulta em prazer. Sensação compartilhada por  43% dos homens. 

As mulheres também demonstram ser mais curiosas que os consumidores do sexo oposto. De acordo com os dados, 51% delas afirmam comprar produtos de uma nova marca simplesmente parar conhecer e saber como são, enquanto entre os homens essa postura é adotada por  43% do grupo.

Os homens também mostram ser consumidores mais fiéis que as mulheres. Enquanto 54% delas dizem gostar de mudar de marca frequentemente só para variar as compras, entre eles 46% aderem a esse comportamento.

Ainda segundo os estudos, as mulheres se preocupam mais em economizar, já que 77% delas afirmam procurar por preços mais baixos na hora das compras, enquanto 70% deles fazem o mesmo. 

Sobre a pesquisa

O Target Group Index é um estudo single source sobre comportamento e o consumo de produtos, serviços , mídia, além de estilo de vida e características sociodemográficas. As entrevistas são realizadas nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e nos interiores de São Paulo e das regiões sul e sudeste. Os entrevistados da pesquisa citada nesta matéria são pessoas de ambos os sexos, das classes AB, C e DE, com 18 anos ou mais, que realizaram compras nos últimos 30 dias. O período de campo foi de fevereiro de 2011 ao mesmo mês em 2012.

16.9.12


O prêmio Nobel de Economia e professor da Universidade Princeton Paul Krugman disse que há um longo caminho a percorrer para que sejam solucionados os problemas dos EUA e Europa. "Mário Draghi, presidente do BCE, comprou um bom tempo com suas ações, mas a crise está longe de acabar no continente", disse.

Fonte: Estadão

De acordo com Krugman, há uma sensação de fracasso na economia global, pois os governos de diversos países "não gastaram o suficiente para tirar o mundo da atual enrascada".

Quanto aos países em desenvolvimento, ele se mostrou animado com as perspectivas de suas economias, pois em geral apresentam um potencial expressivo de expansão nos próximos anos. "Estou otimista com os mercados emergentes, com exceção da China", afirmou, sem detalhar porque está cético em relação aquele país asiático.

Afrouxamento quantitativo

Para Letícia Protásio (foto abaixo), “os dias passam devagar”. “Sobra tempo para ver as coisas do bebê”. Sobra tempo porque a jovem de 20 anos não está estudando, tampouco trabalha, e muito menos procura emprego (“Quem vai empregar uma grávida?”).

Fabiane Ribeiro, O Globo


Ela é um dos 5,3 milhões de jovens, entre 18 e 25 anos, que estão fora da educação formal e do mercado de trabalho — quase a população da Dinamarca. Um problema que atinge um em cada cinco jovens (ou 19,5% dos 27,3 milhões de pessoas dessa faixa etária), aponta o estudo exclusivo “Juventude, desigualdades e o futuro do Rio de Janeiro”, coordenado pelo professor Adalberto Cardoso, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Ele teve por base microdados do Censo Demográfico de 2010, do IBGE.



Mais de três anos atrás, o presidente americano, Barack Obama, disse a uma plateia no Cairo que "nós nos encontramos em uma época de grande tensão entre os Estados Unidos e os muçulmanos ao redor do mundo". Seu discurso, entitulado Um Novo Começo, buscava transcender a animosidade da era Bush.

BBC Brasil

Esta semana, enquanto protestos se espalharam pelo norte da África e Oriente Médio, Obama pode ter-se perguntado: o que deu errado? A verdade é que não há uma explicação única. Uma resposta é que a onda de revoltas políticas do ano passado, conhecida como a Primavera Árabe, é responsável.


Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo