CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

25.9.12


O vernáculo nos oferece uma definição de uma palavra de grande valor para suportar as agruras que a vida nos apresenta – solidariedade: “s.f. Dependência mútua entre pessoas, que leva a se auxiliarem mutuamente.”

Carlos Roberto de Miranda Gomes, advogado e escritor

Sua evidência acontece quando damos uma carona amiga a estudantes no trajeto de suas escolas, de alguém doente para um hospital, de um acidentado, de um deficiente, na dor de um amigo, enfim, nos instantes em que se está carente de algum sentimento ou ajuda.

Por que resolvi levantar esse questionamento? Em razão da deficiência inexplicável do serviço público na cidade de Natal, pela omissão ou incompetência das ações da Prefeitura ou Governo do Estado, que não cumpre com suas tarefas mínimas e básicas, com maior repercussão na saúde, na educação e na segurança.

Neste domingo, em razão de uma contaminação coletiva de vírus, convoquei todos os meus filhos para um mutirão solidário para ajuda mútua aos enfermos, principalmente, aos idosos e crianças da nossa família. A postos em minha residência, solicitamos a ajuda do médico da família Ricardo Guedes, clínico geral, que prontamente atendeu o nosso chamamento e, um a um, foi examinando clinicamente, avaliando a situação e receitando cada indicação de medicamentos, avaliando os portadores de alergias e debilidade dos pacientes.

Com a aquisição imediata dos remédios e início de sua ingestão, tivemos logo o alento de melhoras de alguns, sendo estipulada uma espécie de “escala” de plantão, permitindo que no turno mais difícil, o noturno, a situação fosse amenizada, tranquilizando a todos e aliviando a cada um.

Enquanto isso, nos chegavam notícias alarmantes da deficiência do atendimento na rede hospitalar oficial e até o aconselhamento de que não fosse procurada, pelo risco oferecido de mal atendimento e das infecções que cercam tais estabelecimentos, contabilizando até óbitos. Triste fim, triste fim, expressão que nos faz lembrar de um mendigo que sempre nos procurava – “gambalino” e que deve ter falecido, pois já algum tempo não dá notícias. Ele ao ouvir o canto dos bem-te-vis que habitavam nosso terreiro – “bem ti vi”, retrucava que as avezinhas estavam debochando dele, entoando o canto do “triste fim”.

É um tema trivial, mas que reforça a verdade da importância da solidariedade familiar nos momentos difíceis. Que assim seja e assim continue “ad perpetua memória”!

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo