CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

11.11.12


A semana começou triste, pois se foi para o outro lado da vida GLICÉRIO CÍCERO DE OLIVEIRA FRANÇA, quando ainda não alcançara a idade bíblica, posto que nascido em 12 de outubro de 1943, em pleno clamor da guerra e falecido neste 05 de novembro do ano corrente. Por conseguinte, com apenas 69 anos.

Por: Carlos Roberto de Miranda Gomes

Sim, digo apenas, porque os boêmios são essenciais para amenizar as agruras da vida, para difundir oralmente a poesia, o romantismo.

Conheci Glicério quando servidor da Ordem dos advogados do Brasil, ainda do tempo do Dr. Claudionor de Andrade e, na minha gestão, entreguei-lhe o encargo de tomar conta da sala do advogado no fórum da Ribeira.

Mas o seu talento foi mesmo a música – bom cantor e violonista que alegrava as rodas seletas da boemia de anel no dedo.

Incursionou pela vida profissional participando do Trio Iataí. Depois, ingressou no Trio Ipanema, que fez história através de vários componentes como Luciano Oliveira, Wilson Pires Leite, Otávio Osvaldo Garcia, Januário da Silva Moura, Luiz Gonzaga Júnior, Abel Raimundo da Silva e Glicério Cícero de Oliveira França. Esse trio foi formado em1963, com a influência da bossa nova, tanto que o nome do trio vem de uma canção clássica de Vinicius de Moraes e Tom Jobim – “Garota de Ipanema”. Teve passagem pela Rádio Poti, celeiro de grandes artistas. Chegou a gravar um disco em 1967 e levou a sua arte aos cantões de São Paulo e todo o Nordeste.

No Recife, o trio se apresentou nos programas mais destacados da época, "Você faz o show" e "Noite de black tie", fazendo apresentações em outros programas de rádio e televisão, gravando vários jingles para a fábrica de cervejas e refrigerantes Antárctica, atuando, ainda, nas TVs Excélsior, Tupi, Bandeirantes e Record, nos programas "Gaiola de Ouro", "Hotel do sossego", "Praça da Alegria", "Corte Real show" e "O fino da bossa".

Colhi na internet que o trio realizou diversos shows pelo interior de São Paulo, contratados pela Vigorelli, participando de uma turnê de 30 dias pelo Brasil ao lado de Wilson Simonal, Agnaldo Timóteo, Agnaldo Rayol, Ângela Maria, Cauby Peixoto, Nélson Gonçalves, Mário Zan, Carlos Alberto, Elza Soares, Carlos Galhardo, Carlos José e outros. Realizou ainda uma excursão até a Argentina promovida por Hélio Mandarino Show. Em 1967, lançou pela RCA Victor o LP "Nordeste jovem", onde interpretaram diversos sucessos de Luiz Gonzaga, entre os quais "Paraíba", "Juazeiro" e "Asa branca", de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Em 1973 o trio desfez-se.

Agora se foi Glicério – um violão está chorando.

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo