CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

9.4.12


“COISAS DA VIDA”

Por Leide Franco* (@LeideFranco)

Sou muito de observar. Observo o mundo, principalmente as pessoas. Acho que enlouqueceria se tivesse o poder de ler pensamentos. Fico olhando as “gentes” nas ruas, no ônibus, na fila do supermercado e na fila da farmácia. Foi nesta última onde se passou a história que vou contar. É mais uma daquelas que acontece várias vezes ao dia e em toda parte do mundo, mas quando podemos acompanhar de perto, comove muito mais.

De uns dias pra cá, o meu olhar jornalístico anda muito afiado e ainda mais curioso. A farmácia era aquela localizada no Shopping Midway Mall, aquele lugar no qual a maioria das pessoas tira de seus armários as suas melhores roupas, sapatos e acessórios e saem prontas para chamar atenção e ostentar uns status. Dentro daquela drogaria tinha uma mulher pobre de tudo isso. Vestia roupas sujas, sandálias da moda de 90, cabelos mal arrumados e trazia uma criança em seus braços de olhos verdes vivíssimos, com uma atadura no braço direito com jeito de curativo feito há pouco tempo. Vestia uma camiseta rosa bebê recém-nascido e uma fralda de pano cobrindo seu pequeno corpo.

A mulher tinha 32 anos de idade, embora sua expressão cansada e os dentes mal cuidados nos levasse a pensar que tivesse bem mais tempo de vida. A criança menina, por mais que não aparentasse, já tinha três anos de idade, guardados não sei onde. Elas tinham saído do Hospital Walfredo Gurgel, a criança estava internada no hospital há 10 dias, com uma infecção no braço causada por uma mordida de um porco, bicho que a família vizinha cria no quintal de casa, lá no interior do interior de Santana do Matos, distante 191 Km de Natal.

Conta a mãe que a menina estava brincando com outras crianças no quintal da vizinha onde os porcos são criados soltos, e de repente a pequena resolveu alimentar um deles que não soube onde findava a banana e acabou mordendo o braço da criança. A princípio a mulher não ligou para o ferimento que parecia comum tanto quanto outros. Lavou com água e sabão e pôs a menina para dormir, segundo ela, eram mais ou menos 17h. A menina dormiu “assustadoramente” até o outro dia de manhã. Quando acordou “com o braço mais grosso que o braço da mãe” de tão inchado, causou espanto em todos: mãe, pai, seis outros filhos, avó e avô que moram em uma casa minúscula.

Logo foram ao posto médico mais próximo da casa deles e de ambulância transferiram as duas para Natal. Passados os dias de internação, a criança recebeu alta médica neste sábado (07). Com uma mochila pequena de um lado e a menina do outro, a mulher carregava nas mãos uma receita médica que descrevia três medicações diferentes, cada uma mais cara que a outra. O valor dos remédios somava R$ 143,00, uma fortuna para quem não tinha dinheiro nem para pagar a passagem de volta pra casa. O dinheiro que ela tinha no bolso eram duas cédulas de 5 reais e uma de 2, doação feita pelas enfermeiras do hospital que recomendou a compra urgente dos remédicos, pois caso contrário poderia acontecer coisa pior com o braço da menina.


Metade do mundo sentia pena daquela mulher naquele momento enquanto a fila crescia e ela continuava lá sem ter o que fazer. O balconista da farmácia olhava com uma vontade de doar todos aqueles medicamentos, mas certamente ele não poderia fazer aquilo. Do outro lado, na fila, várias pessoas assim como eu, acompanhava aquela história que mais parecia coisa de filme, dentro de um cenário bonito e iluminado. Para a sorte daquela mulher, era um sábado, início de mês e véspera de Páscoa, assim como todo o shopping, a farmácia estava lotada, dessa forma não foi preciso ela abrir a boca pra pedir uma moeda sequer, bastou algumas lágrimas silenciosas caírem dos seus olhos e consequentemente dos olhos verdíssimos da menina para que R$ 150,00 surgissem em menos de quinze minutos. Naquele momento, fez-se Páscoa naquela farmácia, como também no mundo.

Que assim seja! Que possamos compreender a dor dos outros apenas com o olhar, e assim fazer com que por alguns momentos, ela seja curada.

*Leide Franco - Comunicadora com pretensões literárias; 
Um pouco de filosofia e reflexões cotidianas; 
Um muito de MPB
E quase nada do que ainda quero ser.

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo