CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

21.2.12


“COISAS DA VIDA”

Por Leide Franco* (@LeideFranco)

Era sábado pela manhã, um dia de verão dos mais quentes, dia bom para limpar superfícies encobertas pela poeira e pela ação do tempo que traz partículas pouco visíveis e ácaros oportunistas que vemos circular sempre que uma fresta incide luz, focando algum pedaço do ambiente. Dias de sábado são dias de purificação. Dia de soprar o pó que acumulou nos dias anteriores. Sábado é dia abrir as janelas, deixar o sol entrar em seu máximo e fazer o mofo acumulado se dissipar. É dia de deixar o ar limpo entrar, circular por nossas vias, encher o peito e renovar as forças. Sábado é dia de abrir espaço para a semana renascer.

Renascer vem do consequente fato de morrer. Morte é uma coisa que não combina com nada na vida, nem tampouco com sábados. Não tenho coragem nem de matar uma mosca, mas matei uma pobre e indefesa mosca doméstica, como se eu fosse uma divindade dotada de poderes que determina a hora do fim. Logo uma mosca que só dura, quando muito, míseros trinta dias. Logo uma mosca que de tão sábia se recusa a morrer por já durar tão pouco. Mosca é aquele ser inseto que mede a velocidade e o ângulo da mão de quem nela bate, mas não só a mão, pode ser o chinelo ou aquele jornal que é arremessado em direção do seu corpo pequeno e frágil, e assim, ela calcula minuciosamente, como alguém que estuda física a vida inteira, onde será o golpe dado a fim de acabar com a sua já curta vida. Toda essa estratégia de fuga da morte ela rapidamente monta em três segundos.

Morrer por sucção não deve ser uma morte tranquila. Eu matei uma mosca. E não foi aquela mosca que queria entrar no meu olho ou no meu nariz. Também não foi aquela mosca que por mais que a gente espante, está sempre de volta, como aquele teimoso que nunca se vai. Eu matei uma mosca com o barulhento aspirador que consumia o pó do sofá da sala naquele sábado. O aspirador veloz agiu muito antes dos três segundos que a mosca precisaria para escapar da força do mecanismo que o aspirador de pó utiliza. Eu, meio deus munida de uma arma de aspirar partículas e vidas nas mãos, juntos, fomos cruéis e impiedosos.


Poucas coisas justificam a morte. Poucos perdoam os que matam. Defendo-me argumentando que tentei desviar o jato que suga poeira daquele corpo quase inerte, mosca que estava em pouso, quieta, bem visível na parte branca do sofá de tecido; ali ela estava, sem pretensões, sem pressa, só dando tempo ao seu breve tempo. Não tive a intenção, foi um desvio, de repente dirigi o ar que suga sujeiras para aquela parte do sofá, e em milésimos de segundos pude ver que ela ainda tentou lutar contra aquela força que lhe puxava para o encontro de um mundo desconhecido. Ela foi valente, eu vi! Esforçou-se para correr do ímã que a atraia para dentro daquele aparelho que só deveria aspirar pó e coisas semi-invisíveis. Ela queria fugir, como quem foge de um redemoinho ou do furacão em vão. Ela tentou escapar, eu juro que vi! Mas eu e aquele aspirador de pó fomos mortalmente mais rápidos.

Quem pode ter o direito de tirar a vida de algo tão desavisado, em seu estado de vida que não era para acabar naquele instante? Eu fui aquela que pôs fim na vida de alguém, alguém mosca, indefesa e minúscula, sem fazer mal a nada e nem a ninguém. A expressão ‘incapaz de matar uma mosca’ não será válida sempre que em minhas mãos estiver um aspirador de pó ensurdecedor ligado na tomada a 220 Volts. Eu, assassina, não escolhi matar; ela, impotente não escolheu morrer. No fim, restou o que posso chamar de corpo sem vida de uma mosca no saco de restos mortais do aspirador de corpos estranhos e moscas que pousam distraídas - e suicidas. Continuo incapaz de matar uma mosca, mas matei.

*Leide Franco - Comunicadora com pretensões literárias; 
Um pouco de filosofia e reflexões cotidianas; 
Um muito de MPB
E quase nada do que ainda quero ser.

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo