CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

4.4.12


Não há dúvida que Natal será uma das sub-sedes da Copa/2014. Mas qualquer cidadão, um pouco mais atento, já sabe também que o prometido legado da Copa/2014 é uma miragem no horizonte. As chamadas obras estruturantes, que redefiniriam o cenário urbano da cidade, estão cada dia mais longe de sua concretização, ao menos nos prazos e condições cantadas e decantadas em planos mirabolantes.

Por Sávio Hackradt* (@savioh)

De fato, a Copa poderia trazer para Natal muitas obras capazes de modificar a infra-estrutura urbana da cidade. Mas, o despreparo da prefeitura de Natal e do governo do estado está pondo em risco a oportunidade. Se obras acontecerem, e eventualmente uma ou outra haverá de ficar concluída até a Copa, infelizmente na serão mais obras capazes de revolucionar e serem, de fato, um legado para a cidade e sua gente.

Não temos infra-estrutura – somos carentes de transportes urbanos, ciclovias, portos, ferrovias, hospitais, segurança pública. E não tivemos uma visão estratégica para aproveitar a oportunidade da Copa/2014 e iniciarmos um projeto de desenvolvimento realmente sustentável. Mas temos de sobra discursos, promessas de nossa elite política.

Estamos perdendo uma oportunidade para nos conectarmos com o que há de mais moderno. Os governantes se agarraram na obra da Arena das Dunas, que, ao que tudo indica, pode estar condenado a ser um elefante branco, que irá receber apenas três jogos da Copa – passadas as festas do mundial, alguém duvida que teremos um grande estádio para pouco ou quase nenhum uso de significância?


Em Natal e no Rio Grande do Norte o que interessa à elite política é a fofoca, a coluna social, onde o mais divertido é o superficial. Falar sério, discutir em profundidade um projeto como a Copa/2014 na capital do estado, enfrentar seus problemas e realizar obras capazes de deixar um legado para as novas gerações não parece importante para eles.

Pobre Natal. Pobre Rio Grande do Norte. Estados do Nordeste como o Ceará e Pernambuco, por exemplo, não deixam escapar as oportunidades e caminham a passos largos no rumo do desenvolvimento. Qualquer pessoa que passa pelo Ceará ou Pernambuco percebe o desenvolvimento, a riqueza brotando nos canteiros de obras estruturantes que beneficiarão as novas gerações. E nós, coitados!

Não aprendemos a ser uma sociedade respeitada. Continuamos dependentes do humor do governo federal. Fomos incapazes nesses últimos 40 anos de ousar e defender com unhas e dentes um projeto de desenvolvimento sustentável para Natal e para o Rio Grande do Norte. Somos um manada de elefantes que caminha a passos de tartaruga. Sem rumo. Remoendo problemas crônicos nas áreas de saúde, educação, segurança pública, infra-estrutura...

E os guias da manada de elefantes são os mesmos. Eles não sabem para onde ir. Não sabem o que fazer.

Estamos desperdiçando uma boa oportunidade com a Copa/2014. Não que ela por si só fosse resolver os problemas crônicos de Natal. Mas, com certeza, poderia dar um passo para iniciar a organização da infra-estrutura urbana da cidade, avançar na melhoria da saúde e da segurança pública. Perdem todos. Empresários, trabalhadores, os natalenses, enfim. E eles, nossos guias políticos prosseguem tocando a manada de elefantes sem direção. Até quando?

*Artigo publicado na revista Palumbo – Março 2012

1 comentários:

  • Com pesar muito grande lí o seu oportuno artigo. Infelizmente tenho que concordar com o Sr. O que se capta é um amadorismo muito grande e uma ineficiência cabal... Lamento tambem a demolição do nosso glorioso Machadão.

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo