CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

23.8.12


Em debate realizado pela Comissão de Educação e Cultura sobre incentivo à cultura negra, nesta terça-feira (21), o cineasta Joel Zito Araújo afirmou que a atual produção cultural do País nega a diversidade racial brasileira. Segundo ele, há um “embranquecimento” das telas do cinema e da TV.

Fonte: Agência Câmara

Imagem do filme "A Negação do Brasil", dirigido por Joel Zito Araújo
Essa realidade foi mostrada em dois trabalhos de Araújo: no documentário “A Negação do Brasil” e no livro “O Negro na TV pública”. Pesquisas citadas por ele mostram a baixa representatividade de negros na TV e no cinema e revelam que 90% dos personagens negros são subalternos.

Leia também


O cineasta reclamou ainda da ausência de políticas públicas para fomentar a imagem justa e equilibrada da população. Ele defendeu a reserva de cota, nos editais de patrocínio cultural de estatais, para projetos apresentados por negros.

A ausência no debate da ministra da Cultura, Anna de Holanda, foi lamentada pela makota (auxiliar direta da mãe de santo ou sacerdotisa) do terreiro de candomblé Tanuri Junsara, em Salvador, Valdina Oliveira Pinto. Em tom de desabafo, ela afirmou que atualmente muitos não negros têm editais aprovados para promover a arte negra.

“Temos que ser o sujeito e não o objeto dessas ações, para evitar estereótipos e a perpetuação do racismo”, disse Valdina. “Chega de Pierre Vergers e Carybés da vida”, completou, em referência ao fotógrafo francês e ao pintor argentino – dois artistas brancos que retrataram a cultura baiana.

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo