CALANGOTANGO não é um blog do mundo virtual. Não é uma opinião, uma personalidade ou uma pessoa. É a diversidade de idéias e mãos que se juntam para fazer cidadania com seriedade e alegria.

Sávio Ximenes Hackradt

29.3.12


Depois de quase 51 anos de atuar como repórter e protagonista na Campanha da Legalidade de Leonel Brizola, Flávio Tavares resolveu dar seu relato daquele acontecimento que revirou a história do Brasil, em “1961, o golpe derrotado ― Luzes e sombras do Movimento da Legalidade”, pela Editora L&PM (232 páginas, R$ 37,00). A demora valeu a pena, porque Flávio, já escritor consagrado de outras obras e veterano de mais embates, aqui e no exterior, está no auge de seu estilo e apuro de observador. Com a presença de amigos, jornalistas, intelectuais e parlamentares  Flávio Tavares lançou sua nova obra, com participação de Zuenir Ventura, na semana passada, na livraria Argumento do Leblon no Rio.

Fonte: www.pdtrs.com.br

Flávio Tavares foi testemunha e ativo participante do Movimento da Legalidade, deflagrado em agosto de 1961 pelo então Governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, quando os ministros militares responderam à inesperada renúncia de Jânio Quadros à Presidência da República, com um golpe de Estado “para impedir” que o Governo caísse “nas mãos ameaçadoras do comunismo”. Graças à audácia de Leonel Brizola, o plano dos militares foi paralisado e o movimento acabou por derrotá-lo.

O livro de Flávio Tavares resgata episódios famosos e revela fatos inéditos da rebelião. Detalhes de como Brizola e o então Presidente da Varig, Rubem Berta, enganaram a FAB (Força Aérea Brasileira) e a Aviação da Marinha sobre a viagem de João Goulart de Montevidéu.

O autor diz que o livro é uma espécie de crônica testemunhal dos 13 dias que mudaram a política e a vida do Rio Grande do Sul e do Brasil, influindo inclusive na conjuntura mundial:

― O livro é um duplo depoimento meu, como jornalista e participante do Movimento da Legalidade desde o primeiro momento, disse Flávio Tavares.

O jornalista disse que a sua obra é o testemunho das “peripécias e labirintos do Movimento da Legalidade, com detalhes sobre como os derrotados de 1961 (os militares) planejaram o golpe de 1964”. Além dos fatos, o livro apresenta também documentos como um memorando da Embaixada norte-americana, produzido pela CIA, que alerta sobre a necessidade de barrar a chegada de Jango ao poder.

Um dos motivos que levaram Flávio Tavares a escrever esse livro foi a constatação que o golpe de 1961 nunca foi bem interpretado pela História recente do Brasil, mesmo em se tratando de um movimento cuja importância está no fato de “ser o único a derrotar um golpe de Estado pela mobilização popular”.

Flávio observa que a imprensa e o rádio tiveram papel fundamental nesse episódio, mostrado numa edição extra do jornal Última Hora, do qual ele fazia parte, que foi editada “nos porões do Palácio do Governo do Rio Grande do Sul”, para que os jornalistas não fossem atacados pelo Exército.

Protagonista

Zuenir Ventura disse que o livro foi produzido bem ao estilo de Flávio Tavares, pela qualidade que apresenta e que se encontra em outras obras do jornalista, como “Memórias do esquecimento – Os segredos dos porões da ditadura” (vencedor do Prêmio Jabuti, em 2000), no qual o autor reconstrói o período da luta armada no Brasil:
― É uma obra em que o Flávio junta o estilo literário ao rigor jornalístico num ritmo de trilha policial, para relatar o que ele chama de os 13 dias que mudaram o Brasil. É curioso que ele viveu esse movimento (Movimento da Legalidade) como repórter e protagonista relatando os acontecimentos. É um livro muito bem escrito que informa os bastidores no porão do Palácio Piratini (sede do Governo gaúcho). É o melhor relato sobre essa época, sobretudo sobre a crise, elogia o colunista do Globo.

Beatriz Bissio, editora da revista Cadernos do Terceiro Mundo, disse que apesar de ainda não ter lido o livro espera muito da obra, porque conhece a seriedade de Flávio Tavares e, sobretudo, a forma como ele “se debruça nos temas e é dedicado à pesquisa”.

A jornalista lembra que, além de ter vivido os episódios, Tavares carrega toda uma experiência junto ao ex-Governador Brizola e como militante, o que possibilita ao leitor “voltar o olhar para esse momento tão específico do Brasil no século XXI”.

Beatriz considera a proposta do livro extremamente importante, sobretudo para as novas gerações que têm poucas referências e possibilidades de revisitar as circunstâncias históricas que nele estão relatadas:
― Um momento em que forças políticas reúnem-se em torno de uma liderança forte como a do Brizola, e resistem a uma tentativa de golpe de Estado que, lamentavelmente, se concretizou três anos depois (1964), afirmou Beatriz.
   
Militância

Jorge Miranda Jordão, ex-diretor de Redação da Última Hora, disse que sentia dificuldade em descrever Flávio Tavares, por se tratar de um personagem com muitas qualidades como pessoa e profissional, mas falou sobre a amizade com o colega de militância política e jornalística:
― Companheiro de jornal, de lutas políticas, de ideologia e um grande amigo. Eu tenho cinco amigos na vida, o Flávio Tavares é um deles, declarou.

O Vereador Leonel Brizola Neto (PDT-RJ) descreveu Flávio Tavares como o único jornalista capaz de resgatar com preciosidade os bastidores do Movimento da Legalidade, com a riqueza de detalhes como a história é contada no livro:
― Os fatos históricos relatados por ele deveriam estar sendo divulgados em todas as universidades e escolas públicas, os fóruns do povo, para que coisas como essas (a tentativa de golpe dos militares) não aconteçam novamente, afirmou o parlamentar.

Perguntado sobre a importância de Brizola nesse episódio, o vereador disse o seguinte:
― A maior arma do Brizola na Campanha da Legalidade não foi a metralhadora que ele aparece empunhando em uma foto histórica, foi o microfone, a comunicação, um canal semelhante às ferramentas sociais que temos hoje, como Facebook e Twitter que detonaram explosões sociais no mundo inteiro. O Brizola, através do rádio, mostrou que ele era um grande comunicador, disse o Vereador Brizola Neto.  

O lançamento do livro de Tavares foi também um acontecimento que serviu para reunir os amigos, entre os quais o advogado e ex-Presidente da Riotur, Trajano Ribeiro. Ele comparou Flávio Tavares aos grandes personagens da História do Brasil, “pelos enormes serviços prestados à democracia no nosso País”.

Trajano lembrou os 50 anos do Movimento da Legalidade afirmando que o lançamento do livro é importante porque muitas pessoas não conhecem essa passagem da História. Ele destacou também a importância da campanha para a manutenção das liberdades democráticas:
― Liberdades que duraram três anos e depois foram atingidas pelo golpe de 64, que tinha sido tentado contra Getúlio, em 1954, e depois, em 55, quando quiseram impedir a posse de Juscelino. O Flávio é a pessoa que tem legitimidade para falar sobre isso, porque como jornalista foi o olho da História, afirmou Trajano Ribeiro.

O autor
  
Flávio Tavares foi colunista político nos anos 1960 da Última Hora do Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Belo Horizonte e Porto Alegre. Preso e banido do Brasil pela ditadura em 1969, exilou-se no México, foi redator do Excelsior e correspondente internacional de O Estado de S. Paulo em Buenos Aires e Lisboa.

No retorno do exílio, foi editorialista político do Estadão e correspondente da Folha de S. Paulo na Argentina. Hoje, é articulista dominical do Zero Hora, de Porto Alegre. Escreveu também “O dia em que Getúlio matou Allende”, que conquistou o Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte, em 2004, e o Jabuti, em 2005.

0 comentários:

Postar um comentário

Estação Música Total

Últimas do Twitter



Receba nossas atualizações em seu email



Arquivo